Rubina Leal quer retomar projeto das hortas urbanas

Hortas
A candidata do PSD lamenta que a Câmara do Funchal tenha “abandonado as hortas urbanas”.

A candidata do PSD à Câmara do Funchal quer voltar a dinamizar as hortas urbanas. O anunciou foi feito hoje durante uma conferência de imprensa, que decorreu na Estrada Monumental e onde Rubina Leal referiu que  “não podemos ter hortas urbanas abandonadas quando temos 700 pessoas a querer espaços, a querer fazer agricultura, a querer dispor de um pequeno espaço de terra para produzir alguns produtos.”

Lamentando a forma como a atual autarquia tem olhado para aqueles espaços, Rubina Leal defendeu que o projeto das hortas urbanas – implementado pelo PSD em 2005 e suspenso pelo atual executivo camarário desde 2014 – deve continuar, contabilizando os 22 locais do concelho onde existem 900 parcelas de terreno.

“Não posso aceitar que num local como este, na Estrada Monumental, tenhamos estas hortas abandonadas”, exemplificou, elencando as propostas que tem previsto para a Cidade.

“Um dos meus objetivos é ter uma cidade mais verde, que olhe de uma outra forma não só para os jardins, mas para todos os espaços verdes ajardinados e, neste caso em particular, para as hortas urbanas”, referiu continuando: “pretendo diminuir a lista de espera, redimensionar aquilo que existe e apoiar a população.”

Não são dadas as condições para que as hortas sejam cultivadas, como é o caso da água, apontou a candidata, sublinhando que irá resolver a questão da água e apoiar na formação das pessoas que querem cultivar produtos.

Lembrando que há muitas pessoas que começam a apostar na agricultura biológica, outras que fazem das hortas espaços de lazer e ou de subsistência, Rubina Leal vai reforçar a estrutura existente na Câmara do Funchal para apoiar os agricultores e as pessoas que cultivam as hortas urbanas.

“Ouvindo as pessoas, nós percebemos que algumas, por questões de envelhecimento, não podem continuar a cultivar estas parcelas e outras querem apostar na agricultura biológica, um projeto mais sustentável e que pode ajudar as nossas famílias”.