Sandra Nóbrega satisfeita com a oferta do Teatro Municipal para a próxima época artística

A directora do Teatro Municipal Baltazar Dias, Sandra Nóbrega, salientou na sexta-feira, na apresentação da nova temporada, que “já tínhamos saudades de receber-vos nesta que é a nossa casa, o nosso Teatro”, depois de um mês de Agosto em que o Teatro esteve encerrado a toda a actividade artística.

Na programação, destacou, a já anunciada Rede Eunice vai no segundo dos três anos de parceria com o Baltazar Dias e trará à Madeira “três espectáculos que irão estrear este ano no Teatro Nacional D. Maria: “Lear” produzidos pelos Primeiros Sintomas, “Sweet Home Europa” encenado por João Pedro Mamede e “Montanha Russa”, um musical sobre a adolescência, resultado de uma co-produção entre o Teatro Dona Maria, São João e Formiga Atómica”, referiu a directora do Teatro.

Lear, a partir de King Lear de William Shakespeare, com encenação de Bruno Bravo e produção dos Primeiros Sintomas, sobe ao palco no dia 27 de Janeiro de 2018. Esta seria a peça que permitiria o regresso da conceituada actriz portuguesa Eunice Munõz ao Funchal. No entanto, “por motivos de força maior”, a mesma foi substituída no papel principal pela actriz Paula Só.

Uma das políticas do Baltazar Dias, salientou-se na apreserntação, passa também por ajudar, apoiar e divulgar o património cultural madeirense. O Teatro vai, pois, co-produzir espectáculos realizados a partir de textos de autores madeirenses como João França, Luísa Paolinelli e Herberto Helder.

“A Máquina de Emaranhar Paisagens” é um espectáculo com encenação de Dinarte Branco e uma co-produção dos Berma, Centro Cultural Vila Flor e TNSJ, a partir de textos do poeta madeirense falecido em 2015. “Este trabalho de colocar em palco, o peso e a consistência de Herberto, é levado em particular por dois actores bem conhecidos na TV, teatro e cinema, Dinarte Branco, que interpreta e encena, e Cristóvão Campos, que criou e interpreta ao vivo a música original do espectáculo. A cenografia é de Paulo Oliveira e os figurinos de Cristina Homem de Gouveia”, informa-se.

Na programação apresentada por Sandra Nóbrega, salienta-se também o intercâmbio entre o grupo musical Madeira Jazz Collective que se apresentará hoje no Teatro Angrense. O Funchal, por seu turno, receberá a Orquestra Angrajazz”, a 18 de Novembro.

Outro dos assuntos abordados na apresentação foi a necessidade de apoiar os mais novos, aquele que “têm no Teatro Baltazar Dias uma oportunidade de mostrar o seu talento. E temos tantos e tantos jovens com talento! Neste sentido, apoiaremos em conjunto com a Orquestra Sissi, cinco concertos de música de câmara que darão oportunidades a uma geração de jovens músicos que iniciaram a sua formação na ilha mas que actualmente se encontram a estudar na Europa e na América. Neste sentido, também acolheremos no Baltazar Dias o espectáculo vencedor do Festival Carlos Varela, num apoio directo ao teatro escolar”, anunciou Sandra Nóbrega.

O Teatro Baltazar Dias quer afirmar-se como um parceiro confiável para co-produções com parceiros regionais, sendo que na próxima temporada artística este esforço ganhará mais visibilidade. A Câmara Municipal através do Teatro irá co-produzir vários festivais, como já vendo sendo usual, entre os quais: Festival Literário da Madeira, Madeira Film Festival, Festival Carlos Varela, Festival de Cinema Italiano, Festival Amo-te Teatro, Madeira Piano Fest, num trabalho que passa também por colaborar com os artistas e companhias independentes.