Rui Barreto propõe “Cartão Eco Funchal” para premiar as boas práticas ambientais

Rui Barreto, candidato do CDS-PP à autarquia funchalense, apresentou hoje o Cartão Eco Funchal, uma ideia para premiar as boas práticas ambientais, oferendo descontos na factura da água aos munícipes que procedam à entrega de resíduos sólidos.

O candidato centrista esteve junto à Estação de Transferência e Triagem de Resíduos Sólidos dos Viveiros para apresentar esta ideia, que se traduz em acumulação de pontos que depois são convertidos em descontos na factura da água. Rui Barreto pretende premiar as boas práticas ambientais. “Uma cidade limpa”, lembra Rui Barreto, “não é uma cidade com muita gente a limpar, mas uma cidade com pouca gente a sujar.”
O Cartão Eco Funchal pretende mobilizar os funchalenses para a necessidade de a cidade voltar a ser das mais limpas do país e premiada internacionalmente. Os resíduos – cartão, pilhas, equipamentos eléctricos, por exemplo – devem ser entregues num dos postos da rede municipal, recebendo em troca pontos por cada quilo depositado, conforme consta de um regulamento criado para o efeito. “Esta é uma medida responsável porque benéfica para o Funchal e para todos os funchalenses”, afirmou Barreto.

Entretanto, o candidato do CDS-PP aproveitou para endereçar uma mensagem de solidariedade e esperança a todos os funchalenses que há precisamente um ano perderam os seus familiares e bens nos trágicos incêndios que assolaram o concelho do Funchal.
“Há ainda cerca de 40 famílias que esperam pelas verbas prometidas para recuperarem as suas casas, e por isso o meu apelo é no sentido de que o Governo Regional e a Câmara do Funchal envidem esforços junto do Governo da República para que cumpra com as verbas prometidas”, sublinhou. “Essas pessoas sofreram e já se passou um ano sem que o senhor primeiro-ministro tenha cumprido com o prometido, por isso peço até ao senhor presidente da Câmara do Funchal, que tem um bom relacionamento com o primeiro-ministro, que interceda junto dele para que as verbas prometidas cheguem efectivamente às pessoas para que possam normalizar as suas vidas.”