Ambiente de caos no Aeroporto da Madeira mas as companhias já estão a aterrar e a descolar

Fotos e vídeos FN.

Caótico é como se pode definir, sem exageros, o ambiente que se vive neste momento no Aeroporto Internacional da Madeira.

Fala-se inúmeras línguas pelos corredores das partidas mas todas elas com um denominador comum: descontentamento. No entanto, as aeronaves estão já a aterrar e a descolar, embora a um ritmo bastante condicionado porque os ventos persistem.

Dezenas de voos foram cancelados e outros com informação de estarem a divergir para outros aeroportos. O crónico vento a soprar a mais de 80 km por hora arrasa a paciência dos passageiros que terminam as férias com um desfecho dramático.

O FN está na gare do Aeroporto da Madeira e não deixa de destacar, desde logo, longa fila do balcão da Grodunforce, de atendimento ao clientes, todos eles ávidos pela reclamação e pedido urgente de informação. Os funcionários, que dão o rosto aos atrasos, com segurança policial por perto, lá vão disponibilizando a pouca informação que têm, isto é, quase nenhuma. Tudo está nas mãos de uma providência chamada clima e por conta dela os planos de regresso, de reuniões de negócio, de retoma do trabalho após as férias está adiado por dias. Sim, porque se gundo nos revelam alguns passageiros, esta “novela” já dura desde esta última sexta feira.

O que vai entretendo os passageiros são as novas tecnologias, com destaque para os telemóveis. Depois, um pedaço de chão para aguentar a espera e a expressão de total de desânimo, fruto de uma acumulada fadiga pela espera e o desalento de não ter a certeza de viajar ainda hoje.

No momento em que damos conta aos leitores desta reportagem, o movimento de aeronaves no Aeroporto é fraco. Já aterrou um voo e, neste momento, com  três aviões da companhia. Monarch na pista, um deles acaba de levantar voo rumo ao Reino Unido.

A segunda feira sempre foi um dia de grande congestionamento de tráfego aéreo mas hoje por redobradas razões. Crianças e idosos sofrem mais o desgaste da espera. Não há estatísticas exatas. Fala-se em mais de duas dezenas de voos hoje cancelados. O FN prefere mostrar o placard dos voos com as partidas que dá uma ideioa objectiva de uma realidade de escoamento de tráfego aéreo marcada, dia sim dia não, pelo contratempo grave dos ventos cruzados sobre o Aeroporto.

Um casal de madeirenses que aguardava voo para Gatwick pelas 11 da manhã de ontem, para retomar hoje o trabalho, aguarda ainda pelo embarque. De talão na mão, confessa que está sem informações e que tenta a sorte neste momento através da Monarch. As férias para matar saudades da família, foram maravilhosas mas os contratempos do regresso foram inesperados. Há mais de 20 anos no Reino Unido, esta família admite que estes problemas no aeroporto são cada vez mais frequentes e é necessário encontrar uma solução.

A retoma do trabalho foi adiada mas tudo se vai compor, explica esta emigrante com otimismo. Medo do Brexit? Sorrisos e a resposta de que ainda não se deu por nada isso.