Conheça a cidade de Kiev onde o Marítimo joga a 2.ª mão da Liga Europa a 24 agosto

Fotos Rui Marote

(Com Rui Marote) O Funchal Notícias já esteve em Kiev, na Ucrânia, onde o Marítimo disputa com o Dínamo a 2.ª mão da Liga Europa.

Os verde-rubros recebem primeiro o Dínamo de Kiev, nos Barreiros, a 16 de agosto e deslocam-se uma semana depois à Ucrânia.

O repórter fotográfico do FN, Rui Marote esteve em Kiev em 2015 – no seu périplo pela Ucrânia, Arménia e Moldávia- e publicou uma série de crónicas daquela cidade.

Pela sua relevância, destacamos aqui alguns relatos.

Em Kiev, a Praça da Independência é o principal local de reunião da cidade. Desde o movimento de independência da Ucrânia, em 1990, a Praça tem sido, tradicionalmente, o local para manifestações de carácter político.

O nome actual foi adoptado em 1991, após a declaração de independência da Ucrânia, quando este país finalmente conseguiu separar-se da então moribunda União Soviética.

Por todo o lado há referências à resistência contra o regime do presidente deposto.

No decurso da história, esta praça já teve muitos nomes: em 1869 chamava-se Praça Khreshchatyh, em 1876 Praça da Duma, em 1919 Praça Soviética, em 1935 Praça Kalinin, em 1941 Praça do Conselho (Parlamento), em 1943 de novo Praça Kalinin, em 1977 Praça da Revolução de Outubro, e finalmente em 1991 adoptou finalmente a denominação actual.

O mosteiro Pecherska Lavra…

Kiev é uma das cidades mais antigas e importantes da Europa Oriental. Tem desempenhado um papel fundamental no desenvolvimento da civilização eslava, bem como na moderna nação ucraniana.

O povo não esquece as suas referências contestatárias.

Um memorial “de encher o olho”

Foi fundada no séc V pelos eslavos orientais. Durante os séculos XVIII e XIX foi dominada pelas autoridades militares e eclesiásticas russas. Durante a Revolução Industrial Russa, foi um importante centro comercial do império russo, na exportação de açúcar e de cereais.

A primeira linha de eléctrico do império russo foi implantada em Kiev. Esta tornou-se a terceira cidade mais importante do império e o principal centro comercial. No período turbulento após a Revolução Russa de 1917, Kiev tornou-se a capital de vários estados ucranianos de curta duração, e foi apanhada no meio de vários conflitos: a Primeira Guerra Mundial, a Guerra Civil Russa e a Guerra Polaco-Soviética. Mudou de mãos nada menos do que dezasseis vezes, até Agosto de 1920.

A partir de 1921, a cidade passou a fazer parte da República Socialista Soviética da Ucrânia. Na Segunda Guerra Mundial, voltou a sofrer danos significativos, mas recuperou rapidamente.

No final de 2004 e início de 2005, aqui ocorreu a Revolução Laranja, em resposta às alegações de fraude eleitoral a favor de Viktor Yankovych, na eleição presidencial de 21 de Novembro de 2004.

Geograficamente, Kiev pertence à zona ecológica da Polésia, uma das maiores áreas pantanosas da Europa. Está localizada em ambos os lados do rio Dnieper, que corre para Sul, através da cidade, em direcção ao mar negro.

Terrível foi também o catastrófico acidente na central nuclear de Chernobyl, a apenas 100 km a norte da cidade.

Segundo Rui Marote, as 10 atracções turísticas a não perder em Kiev são:

1.º) A catedral de Santa Sofia, uma das mais antigas catedrais, património da UNESCO.

2.º) Kievo-pecherska lavr: um mosteiro fundado em 1051 em grutas pelo monge Antoniy.

3.º) A Igreja de Santo André, de estilo barroco (1749-1754), localizada na parte superior da famosa descida de Santo André.

4.º) A Catedral de São Volodymyr, templo principal da igreja ortodoxa ucraniana, de estilo pseudo-bizantino.

5.º) O Museu da Grande Guerra e Estátua da Mãe Pátria com a sua estátua de aço com 102 metros de altura, visível quando se atravessa o rio Dniepre a caminho do aeroporto.

6.º) A Catedral de São Mikhailo

7.º)O Palácio Marinyinsky e o parlamento da Ucrânia

8.º) O Museu Nacional de História da Ucrânia

9.º) O Museu Nacional de Taras Shevchenko e Parque de Taras Shevchenko

10.º) O Museu Nacional de Chernobyl dedicado à maior catástrofe tecnológica do século XX, que aconteceu a 26 de Abril de 1986 na central nuclear.

O metro de Kiev é muito utilizado