Ordem diz que “instalações precárias e dissonantes” inauguradas pelo ministro nas Selvagens “nada têm a ver com proposta do projeto vencedor”

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
São estas instalações que motivam a nota da Ordem dos Arquitetos. Foto Rui Marote

Uma nota da delegação da Madeira da Ordem dos Arquitetos, há pouco emitida, afirma vir relembrar que “as instalações precárias e dissonantes  inauguradas  na Selvagem Grande por Sua Excelência o Senhor Ministro da Defesa nada têm a ver com solução proposta pelo projecto vencedor desse concurso, projecto cuja  integração na paisagem, economia construtiva e eficácia funcional, dignificavam a presença portuguesa num território onde a soberania nacional tem sido posta em causa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
O ministro da Defesa na recente visita às Selvagens. Foto Rui Marote
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Outro momento desta deslocação às Selvagens, com inauguração alvo de esclarecimento por parte da Ordem dos Arquitetos. Foto Rui Marote

Esta posição surge na sequência do concurso  de arquitectura que escolheu o melhor projecto a construir na Reserva Natural das Ilhas Selvagens,  da autoria da equipa Ponto.

Recorde-se que o ministro da Defesa deslocou-se às Selvagens, onde inaugurou, no dia 1 de agosto, o Posto Marítimo das ilhas Selvagens, constituído pelo Posto do Comando-local da Polícia Marítima do Funchal e a extensão da Repartição Marítima do Funchal, nas Ilhas Selvagens. Foram igualmente apresentadas as capacidades de vigilância radar e eletrótica do sistema “Costa Segura” presentes no local.