Freguesias à lupa: CDS com três Prazeres ao longo de 40 anos e uma ‘geringonça’ com o PS em 2001

A freguesia dos Prazeres é de extremos. Ou dá maiorias absolutas ao CDS ou dá ao PSD. A bipolarização ajuda a compreender este fenómeno cuja exceção foi em 1982, quando o PSD ganhou a Junta com uma percentagem abaixo dos 50%.

Aqui a disputa eleitoral é entre o PSD e o CDS embora em 2001 tenha sido a coligação CDS/PS a ganhar a Junta com 62,4% dos votos.

Sozinho, o CDS já ganhou a Junta por três vezes (em 1976, 1979 e em 2005).

Nos Prazeres as forças de esquerda têm pouca expressão.

O melhor resultado alguma vez alcançado pelo PS foi 10,2% em 1989.

A situação é tão má para o PS que o partido nem sequer apresentou listas à Assembleia de Freguesia dos Prazeres em 1976, 1979, 1997, 2005, 2009 e 2013.

Pelo contrário, o CDS tem forte implantação na freguesia. O melhor que já conseguiu foi vencer sozinho a Junta por três vezes: em 1976 (68,8%), 1979 (61%) e em 2005 (62,9%). O pior resultado alcançado pelo CDS foi nas últimas autárquicas de 2013 (21%).

Em contraponto, o resultado mais expressivo conseguido pelo PSD foi 74% em 2013, com o atual autarca Paulo Ferreira, que já tinha sido presidente da Junta pelo CDs.

O resultado mais baixo do PSD foi logao nas primeiras eleições Autárquicas livres, em 1976 (30,3%).

A luta mais nivelada entre PSD e CDS que acabou por pender para o PSD foi em 1982 quando o PSD ganhou ao CDS por 36 votos de diferença. Se tivesse havido uma coligação CDS/PS/APU tinha dado empate.

Na freguesia dos Prazeres, em 2001, deu-se o caso raro de ser a coligação CDS/PS a vencer a Junta.

O peso desta coligação estava no CDS razão pela qual, na eleição seguinte de 2005, o CDS sozinho ganhou a Junta e até obteve mais votos e percentagem do que a coligação havia conseguido em 2001.