Câmara de Santa Cruz mantém localização do mercado agrícola da Camacha

Câmara rebate iniciativa do PSD.

Num comunicado intitulado “os messias da vida nova e das ideais vazias”, a Câmara de Santa Cruz reagiu hoje à iniciativa do PSD que, ontem, na Camacha, defendeu uma nova localização para o mercado agrícola.

Eis o teor do comunicado da CMSC:

“Os candidatos do PSD, armados em arquitetos paisagistas, foram ontem à Camacha fazer o habitual: ou seja, não apresentar qualquer ideia nova, mas apenas criticar o que está a ser feito.
Não gostam da localização do mercado para os agricultores, querem que seja noutro local (embora não digam qual), mas vê-se logo que o importante não é ter ideias, mas sim deitar abaixo o que está a ser feito e que este PSD nunca fez.
Este PSD que agora surge com uns cartazes a prometer uma vida nova, teve cerca de 40 anos de poder sem trazer essa famigerada vida nova que agora prometem, mas, mesmo assim, sustentam uma campanha em deitar abaixo as obras que se estão a fazer pela primeira vez no concelho de Santa Cruz. Já o fizeram em relação ao Centro de Recolha de Animais, agora fazem-no relativamente ao mercado dos agricultores para a Camacha.
Depois, e como interessa a esta política de fachada sem ideias, enumeram uma série de disparates que envolvem corte de árvores e descaraterização de um largo que, pela primeira vez, em mais de trinta anos de poder do PSD, vai finalmente conhecer uma vida nova.
E esta vida nova para o Largo da Achada não descaracteriza, não vai derrubar árvores, mas vai dar condições a quem trabalha a terra, a quem faz pela sua vida todos os dias, a quem luta, a que vive do seu trabalho, e que, por isso, merece respeito, atenção, e merece, sobretudo, mais do que esta política transvestida de nova, mas que de novo nada tem.
Sim, Santa Cruz já está a caminho de uma vida nova, com as obras em curso, com caminhos a serem asfaltados como há muitos anos não se via (a Estrada Maria Ascenção na Camacha, por exemplo), com parques infantis a serem renovados, com a frente-mar a ser valorizada, com apoio aos nossos estudantes, com apoio aos mais carenciados.
A vida nova do concelho de Santa Cruz começou em 2013, com a recuperação financeira da bancarrota instaurada pelos falsos messias da vida nova que agora dizem querer fazer o que nunca fizeram em 30 anos, e que apenas se limitam a criticar o que se faz, numa visão demagógica da política.
Por parte da Câmara Municipal de Santa Cruz, o mercado segue em frente, porque não aceitamos andar ao sabor da demagogia vazia de ideias e de supostas vidas novas sem provas dadas.”