Daniel Sampaio recomenda: “Não é bom que os jovens se iniciem muito cedo nos festivais musicais”

Fotos Rui Marote.

Por norma, a juventude toma conta dos festivais de música no verão e ninguém leva a mal. Mas o que se vem tornando cada vez mais evidente é a presença de jovens cada vez mais novos, nos concertos musicais que naturalmente se prolongam pela noite dentro. Uma realidade que merece a discordância do especialista em psiquiatria do adolescente, Professor Daniel Sampaio, num comentário feito ao Funchal Notícias.

Na Madeira, o Nos Summer Opening fez convergir, esta sexta e sábado, milhares de jovens para o Parque de Santa Catarina, o que também era expetável. Nomes consagrados da música atraem sempre a juventude e outros melómanos. Mas o que deu também nas vistas foi a grande quantidade de jovens muitos novos, alguns mesmo na fase da pré-adolescência, a correr de um lado para o outro, levando os mais velhos a questionar: “Afinal, isto é uma visita de estudo ou um festival de música para jovens maiores de idade?”

No caso deste Festival da Nos, que decorreu com normalidade, o fecho não foi tardio. Pela 1h30 da manhã, as atuações já tinham terminado. Depois, seguiu-se um cenário que dá que pensar: na rua em frente ao Parque, as buzinadelas sucessivas de dezenas e dezenas de pais que vinham buscar os filhos ao Parque de Santa Catarina. Assim, sentir-se-ão, quiçá, mais seguros, mesmo já tendo terminado o concerto.

Daniel Sampaio

O Nos Summer Opening é apenas um exemplo, já que outros casos de eventos semelhantes também se sucederam, sendo pertinente refletir sobre a decisão das famílias de ceder à vontade dos mais pequenos no sentido de participarem nestes mega eventos musicais pela noite dentro, com diversidade de públicos e hábitos.

O Funchal Notícias solicitou ao Professor Daniel Sampaio, catedrático em psiquiatria, com dezenas de títulos publicados sobre a psiquiatria do adolescente, o seu testemunho. Este reputado professor discorda da estreia cada vez mais precoce dos jovens nos festivais.

O cabeça de cartaz, Seu Jorge, no Nos Summer Open, este fim de semana, no Parque de Santa Catarina. Sexta feira, dia de enchente, foi assim.

O FN reproduz o comentário do Professor Daniel Sampaio: “Compreendo o fascínio que a música exerce sobre crianças e adolescentes, mas penso que não é bom que se iniciem muito cedo nos festivais noturnos. Ao redor desses festivais costumam acontecer excessos de álcool e muitas vezes de drogas, que não são ambientes  aconselháveis para crianças, mesmo que acompanhadas pelos pais. Só na adolescência e a partir dos 14 anos, onde já existe capacidade de perceber o que se passa é que faz sentido a frequência de festivais.”