Torneio de andebol “Um Golo Pela Vida” para contribuir para a Liga Contra o Cancro

Na passada sexta-feira, foi apresentado o Torneio “Um Golo Pela Vida!”, um projecto solidário que surgiu em 2010, por iniciativa de Ivelice Gonçalves.

Desde a primeira hora, a família do andebol aliou-se a este projecto, cooperando na organização do Torneio e promovendo o próprio evento, que junta várias equipas, de forma oficial ou não. Como exemplo, além dos  diversos clubes da Região, inscrevem-se equipas formadas por amigos, alguns que nem foram atletas federados, refere uma nota de imprensa.

“Este espírito de participação deve-se, em muito, à dinâmica de voluntariado da Liga Portuguesa Contra o Cancro, entidade que abraça todos quantos querem contribuir para a melhoria da qualidade de vida, da motivação, da  vontade de viver, de quem se vê atingido, directa ou indirectamente, pelo cancro”, refere o comunicado.

O Núcleo Regional da Madeira da Liga Portuguesa Contra o Cancro (NRM-LPCC), entidade sem fins lucrativos, apoia mais de 200 famílias carenciadas, de diversas formas, tendo como fonte de receita a realização de eventos solidários e venda de “merchandising”.

Nesta edição, conta com a participação de uma dezena de equipas, masculinos e femininos, que vão estar em campo, no dia 22 de Julho, das 9 horas às 21 horas, no Pavilhão do Funchal. Além do andebol, as equipas cooperam na angariação de fundos, com um quiosque de comes e bebes e “merchandising”, porque é de voluntariado e de contribuir para a causa oncológica de que se trata, salienta a Liga.

“Para que tudo isto fosse possível, cooperaram a Direcção Regional de Juventude e Desporto, a Câmara Municipal do Funchal e a Empresa de Cervejas da Madeira, a quem tem de ser feito um agradecimento especial pela forma como abraçam este tipo de eventos”, refere-se.

A Liga envia ainda “um especial e forte agradecimento aos clubes, aos pais, aos atletas, aos dirigentes e aos amantes da modalidade, que de uma forma desprendida, altruísta e carregados de amizade, se unem, ano após ano, para conviver, sem preconceitos, emblemas, cores ou disputas, simplesmente para celebrar a vida e dar um pouco mais a quem precisa”.

E deixa um desafio à população, para que venha até ao Pavilhão do Funchal e faça do dia 22 de Julho “um dia em grande, por uma causa”.