OCM dá concerto em formato invulgar, tendo como convidado o Quarteto Lopes-Graça

A Orquestra Clássica da Madeira vai dar um concerto no próximo sábado, dia 3 de Junho, pelas 18 horas, na Assembleia Legislativa da Madeira, tendo como convidado o Quarteto Lopes-Graça.

A OCM apresenta-se neste sábado numa “proposta singular e desafiante”. Este é um concerto num formato pouco convencional, com um quarteto de cordas solista, o prestigiado Quarteto Lopes-Graça, a juntar-se à formação orquestral, sob a batuta do madeirense Luís Andrade.

Afirmado como referência na sua área, o Quarteto Lopes-Graça, com mais de uma década de existência, tem uma actividade internacional e é uma marca na interpretação de repertório português para esta formação. Um dos ensembles de música de câmara em Portugal a quem mais obras são dedicadas, apresentando-as em primeira audição mundial.

 

O programa do concerto é o seguinte:

Wolfgang Amadeus Mozart (1756 – 1791) – Adágio e Fuga em Dó menor Kv.546

Charles Avison (1709 – 1770)  – Concerto Grosso n.5

Wolfgang Amadeus Mozart (1756 – 1791) – Serenata Nocturna Kv. 239

Edward Elgar (1857 – 1934)  – Introdução e Allegro Op.47 para quarteto e Orquestra de Cordas

Edward Elgar (1857 – 1934) – Serenata para Cordas Op. 20

Os bilhetes custam entre 20€ e 5€ e estão disponíveis no La Vie Funchal Shopping Center – Loja Naturalmente Português (Piso 1), das 09:00 às 22:00, e no dia do concerto, no local a partir das 14:00.

O maestro convidado Luís Andrade nasceu na ilha da Madeira a 4 de Março de 1979. Proveniente de uma família de músicos, aos quatro anos começou a estudar violino com a sua mãe e aos sete, violoncelo com o professor Agostinho Henriques no Conservatorio de Música da Madeira.

Em 1995 foi para Kiev (Ucrânia) estudar violoncelo com V. Tchervov tendo-se graduado com distinção em 2001.

Entre 2000 e 2004 estudou violoncelo com Alexander Petrasch no Conservatório de Maastricht (Holanda) tendo também terminado com distinção. Teve também como professores de violoncelo e música de câmara Alan Weiss, Avi Schoenfeld, Radu Aldulesco, Michael Strauss, Mixail Milman e Fine Art Quartet.

Em 2003 Luís Andrade graduou-se em Direção de Orquestra pela Academia Nacional da Ucrânia P.I. Tchaikovsky tendo estudado com E. Duchenko e em 2004 pelo Conservatório de Maastricht onde estudou com Jan Stulen. Em Julho de 2010 Luís Andrade terminou o Mestrado em Direção de Orquestra no Conservatorio de Maastricht com Enrico Delamboye, tendo dirigido no seu exame final a 3ª Sinfonia de Brahms com a Limburgs Symfonie Orkest.

Como maestro dirigiu a Orquestra de Câmara dos Alunos da Academia Nacional da Ucrânia P.I. Tchaikovsky, Orquestra Sinfónica de Kiev, Promenade Orchestra, “Arka” Sinfonie Orkest, Joseph Hollman Chamber Orchestra, Ensemble Liatochinsky Kiev, a Limburgs Symfonie Orkest e mais recentemente a Netherlands Symphony Orchestra.

Desde Agosto de 2010, Luís Andrade é membro efetivo da The Netherlands Symphony Orchestra na qualidade de Violoncelista, conciliando com a sua carreira de maestro.

Em Janeiro de 2013, quando se preparava para um concerto como membro da Orquestra Sinfónica de Holanda, foi chamado nos últimos 5 minutos para substituir o maestro que ficou doente. A sua prestação foi um sucesso, tendo sido convidado para dirigir a mesma orquestra em 2014, 2015 e 2016.

Na temporada 2013/2014, foi convidado a voltar à sua terra natal para realizar três projetos com a Orquestra Clássica da Madeira, sendo novamente convidado para dirigir a Orquestra nas temporadas 2014/2015; 2015/2016 e 2016/2017.

Quarteto Lopes-Graça

O Quarteto Lopes-Graça, constituído por músicos com notáveis carreiras estilísticas e camerísticas, professores da Escola de Música do Conservatório Nacional (Lisboa), formou-se em 2005 com o objetivo de dotar o Conservatório, à imagem de muitos dos seus congéneres no mundo, de um grupo de referência na área das cordas, com condições para desenvolver um trabalho permanente com output aos níveis da formação especializada em música de câmara (master-classes de quarteto) e da promoção da escola, no país estrangeiro.

Desde então, o QL-G soube afirmar-se como agrupamento de referência nasua área, tendo actuado nas mais importantes salas e eventos musicais do país – Festa da Música e Dias da Música do Centro Cultural de Belém – edições de 2005, 2006, 2008, 2009 e 2011, Casa da Música / Porto, Grande Auditório da Culturgeste, Teatro de São Luíz, Teatro da Trindade, Teatro D. Maria II (17 de Dezembro de 2006 – centenário do aniversário de Fernando Lopes – Graça), temporada Em Busca de um Salão Perdido (Salão Nobre do Conservatório), Festival de Música de Paços de Brandão, Centro de Artes de Belgais, Encontros de Música do Alentejo 2009, por várias ocasiões nas temporadas do Eborae Música, em Évora, no primeiro aniversário do Centro Artístico de Braço de Prata, em Lagos (Al-Cultur 2009), Santarém (Inauguração da Biblioteca do Ginásio), Almada (Capuchos e Auditório L. Graça), Cascais (Museu da Música Portuguesa), Funchal (Teatro Baltazar Dias), Marvão, Castelo de Vide, Caldas da Rainha, Caminha, Pombal, Viana do Castelo e em muitos outros projectos e espaços culturais.

Realizou ainda várias tournées aos Açores onde actuou com o Coral Vox Cordis.

Contemplado, por diversas ocasiões, com apoios do Ministério da Cultura, realizou concertos em vários pontos do país, nomeadamente no âmbito do recente Festival CRIASONS 2010 / 11, um evento dedicado à composição portuguesa contemporânea. É aliás este desígnio – a divulgação da nova música portuguesa – que tem inspirado a ação do QL-G nos anos mais recentes, realizando com frequência primeiras audições de obras que lhe são dedicadas por compositores nacionais.

Deslocou-se a Andorra, em 2010, com um programa vocacionado para a divulgação da cultura portuguesa naquele Principado. Em 2013 realizou uma digressão de um mês ao Brasil, no âmbito do evento Portugal no Brasil, com concertos em Curitiba, Brasília e Sorocaba. Em Novembro de 2014 participou, com três concertos, no XII Festival Internacional de Música Contemporânea de Lima, Peru. Terminou, recentemente, uma digressão à Argentina, tendo atuado nas mais prestigiadas salas da capital (Teatro Colón e Usina del Arte) e realizado uma Master-Class no Instituto Superior de Arte do Teatro Colón.

Editou em Maio de 2009 o seu primeiro projeto discográfico – um CD com obras de Fernando Lopes-Graça e António Victorino d’Almeida (obra dedicada) [Numérica 1182 | 2009]. Um novo álbum, editado em 2011 (em conjunto com o Opus Ensemble e o Duo Contracello) fez o registo das obras estreadas no Festival CRIASONS [Numérica 1218 | 2011]. Acaba de editar dois CDs com a obra integral de Fernando Lopes-Graça para Quarteto e Piano, com Olga Prats [Toccata Classics 0253 | 2014 e 0254 | 2015].