Centro Treino Mar apresentou Projecto de Solidariedade Olímpica

O Centro Treino Mar apresentou, através da Federação Portuguesa de Vela e do Comité Olímpico de Portugal, candidatura ao Projecto de Solidariedade Olímpica do Comité Olímpico Internacional, para a sua equipa de competição de prancha à vela, classe Bic Techno. Tendo a mesma sido aceite, quatro velejadores do CTM, participarão em diversas provas internacionais de qualificação, com vista à presença de um ou dois velejadores – um feminino e um masculino – nos Jogos Olímpicos da Juventude 2018, a ter lugar em Buenos Aires.

A cerimónia de apresentação da equipa do CTM, bem como do projecto rumo aos Jogos Olímpicos da Juventude 2018, decorreu nas instalações do clube, no Centro Náutico de São Lázaro, no passado sábado. Na mesma, marcaram presença o  Secretário de Educação, Jorge Carvalho, o Director Regional de Juventude e Desporto, Davide Gomes, o Vereador da Câmara Municipal do Funchal, Engº Miguel Gouveia, o Presidente do Comité Olímpico de Portugal, José Manuel Constantino, o Presidente da Federação Portuguesa de Vela e o  Presidente da Associação Regional de Vela, Sérgio Jesus.

Estes jovens, e espera o clube, muitos outros que lhes seguirão, serão os nossos embaixadores por esses mares fora.

Com este apoio do Comité Olímpico Internacional, no âmbito do Projecto de Solidariedade Olímpica, que agora lhes é concedido, poderão fazer parte, com outras condições, da classe de windsurf mais popular do planeta, engrossando a lista de quase 500 velejadores que disputam todos os anos os diversos títulos mundiais. Principalmente um pouco por toda a Europa, constatamos o crescimento da frota desta classe, numa clara aposta dos respectivos países, na implementação de uma base desportiva mais alargada e de acordo com as novas tendências da vela mundial, com barcos cada vez mais rápidos e divertidos.

Esta classe, a BIC techno, existe há mais de uma década, paulatinamente espalhando-se por todos os continentes. Fácil de utilizar, logisticamente amiga, leve e acessível. Ingredientes que explicam o sucesso da classe e a sua expansão extraordinária.

Com a introdução da prancha à vela nos Jogos Olímpicos da Juventude que, à semelhança dos Jogos Olímpicos, realizam-se de quarto em quarto anos, novos desafios surgiram para jovens com menos de 19 anos. Assim, para além de ser intenção desta equipa, a participação em campeonatos da Europa e do Mundo de BIC, a qualificação para os JO da Juventude, que terão lugar em 2018, na Argentina, são um interessante desafio.

O CTM gostaria de marcar novamente a Madeira no mapa da organização de grandes eventos de prancha à vela. Depois do sucesso que foi o Europeu de RS:X em 2012, quando o Clube Naval do Funchal, em parceria com o CTM, organizou esse evento, desta feita, é intenção desta instituição, dar a oportunidade aos nossos jovens, não só do nosso clube, mas também das outras colectividades regionais que desenvolvem esta modalidade, a oportunidade de competirem em casa. Assim, em parceria com a Associação Regional de Vela e outros clubes de São Lázaro, pretendemos candidatar a Região à organização de um grande evento desta classe em 2019.

Finalmente, esta classe é também a rampa de lançamento para a mais exigente classe Olímpica, RS:X. Se estes velejadores forem capazes de explorar todo o potencial da classe BIC, terão as bases para fazer uma transição para a RS:X, a exemplo do que muitos outros velejadores têm feito, aqui na Madeira e um pouco por todo o mundo.