Capela de Nossa Senhora da Consolação estará quinta-feira ao luar

Foto DR

No próximo dia 4 de maio, quinta-feira, na Capela de Nossa Senhora da Consolação, no Funchal, decorrerá a quarta ação da edição de 2017 do projeto “Capelas ao Luar”.

A iniciativa começa pelas 21 horas com um apontamento de música barroca e romântica por elementos da Orquestra Clássica da Madeira e às 21h30 terá lugar a visita guiada à Capela, por Francisco António Clode de Sousa. Será ainda lançado um guia patrimonial.

“Capelas ao Luar” é uma iniciativa da Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura, através da Direção Regional da Cultura e contará com a participação da Orquestra Clássica da Madeira-Associação de Notas e Sinfonias Atlânticas (OCM-ANSA). Tal como na primeira edição, todas as ações deste ano do referido projeto são de acesso gratuito, mas carecem de inscrição prévia através do endereço capelasaoluar.drc@gmail.com.

Refira-se que a Capela de Nossa Senhora da Consolação, sita na Levada de Santa Luzia e Rua da Torrinha, é atualmente propriedade da família Welsh.

Apontam alguns historiadores a fundação e construção da primitiva capela ainda ao século XVII, mas toda a arquitetura e elementos decorativos identificam a estética de finais dos séculos XVIII e princípios do século XIX. Em 1860, conforme data no subcoro, deverá ter ocorrido obras de construção e /ou ampliação, e as obras do adro, em calhau rolado, deverão ter sido concluídas em 1881, como atesta a data no chão. Durante estas campanhas de obras foram integradas no espólio da capela algumas peças religiosas, compradas em hasta pública, provenientes do extinto e demolido Convento de São Francisco que ficava junto ao Jardim Municipal. Destacam-se um frontal de altar de entársia datado de 1707, assinado por F. Carolus A. Bronio, com a representação de S. Francisco de Assis e Santo António, uma custódia com a sigla IHS e motivos vegetalistas, que tem sido objeto de estudo por vários investigadores; e o retábulo de talha dourada de gramática barroca, mas alguns elementos adossados aos lados denunciam uma estética rococó, com proximidades a algumas obras do entalhador e imaginário madeirense Estêvão Teixeira de Nóbrega (1746-c.1847).

No interior ainda podemos ver diversas pinturas, já de Setecentos, emolduradas com obras de marcenaria e de entalhe que parecem identificar oficina seguidora do entalhador açoriano Julião Francisco Ferreira, ativo na Madeira entre 1720 e 1771, como do já citado Estêvão Teixeira de Nóbrega.

A capela é de nave única e tem portal de arco pleno executado em cantaria da região, duas pilastras e imposta, e encimado por um janelão.

Na fachada foi colocado um painel de azulejos, em 1945, da fábrica “Battistini, F. Maria de Portugal”, a partir de desenho de Harry Hinton.