Segurança Social vai avançar com “projeto inovador” de prevenção para os maus-tratos na infância

Programa Abril FN
No dia 26 de abril, grupos de jovens vão lançar balões no âmbito do programa de iniciativas de abril, mês da prevenção contrta os maus-tratos a crianças e jovens.

A secretária regional da Inclusão e Assuntos Sociais anuncia que a Segurança Social irá iniciar na Madeira “um projeto inovador” na área da prevenção dos maus-tratos contra crianças e jovens, um assunto que está a ser debatido com iniciativas do Governo Regional, através da SRIAS, no âmbito de “Abril: Mês Internacional da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância”.

Rubina Leal afirma que, neste domínio, está a ser desenvolvido um trabalho de proximidade com o meio familiar, considerando ainda que “a aposta para prevenir nesta área, pressupõe uma intervenção precoce junto das famílias”.

O conjunto de iniciativas levadas a efeito pela secretaria pretendem alertar a população para uma temática deveras sensível na sociedade e que se mantém com uma atividade que justifica um alerta permanente em todas as vertentes.

Um programa diverso engloba debates e conferências dirigidos a técnicos, pais, famílias de acolhimento e instituições parceiras, além de iniciativas envolvendo crianças e jovens. A primeira ação teve início no dia 3 de abril com o lançamento da campanha de prevenção dos maus-tratos “Criança: Presente e Futuro, Cuidemos Dela!”, com o acompanhamento por parte de um grupo de jovens do Estabelecimento Vila Mar, tendo cada jovem sido convidado a partilhar e registar num painel, mensagens breves sobre coragem na adversidade.

Segundo uma informação da secretaria liderada por Rubina Leal, o programa integra seis iniciativas, sendo que um dos “pontos chave” decorre a 26 de abril, onde quatro grupos de jovens do ensino secundário irão recolher contributos – o que gostaria de dizer sobre os cuidados às crianças – junto dos transeuntes, lançando balões a partir da Praça do Povo, Praça Cristiano Ronaldo, Rua São João de Deus e Largo do Casino.

Esta problemática, em debate no mês de abril, une diversas instituições à volta de um problema que deve congregar a maior das atenções, desde o cidadão comum ao governante, passando pelo contexto empresarial, no apoio a iniciativas que ajudem a sensibilizar para esta realidade, contribuindo para a redução dos casos, que continuam a manter registos suscetíveis de exigir trabalho no terreno, da parte de todos.