A crise é a desculpa para o abandono “supostamente justificado”

Tendo em conta que a Páscoa está a chegar, e pouco tempo depois avizinha-se o Verão, meses que costumam ser propícios para contribuir para o aumento do número de abandono de animais domésticos na RAM. Infelizmente, apesar de a legislação criminalizar o abandono e os maus-tratos a animais, este facto ainda é bastante visível. Efetivamente esta triste realidade acentua-se mais nos meses de Verão, mas é possível constatar-se ao longo de todo o ano. As épocas de férias e festivas são motivo e “oportunidade” de abandono para muita gente que quer descansar e não quer saber do seu animal. A Páscoa, o Natal e as férias de Verão são esses picos. Cada vez mais as pessoas se preocupam com os animais, cada vez mais fazem parte da família e trazem-nos bem-estar.

Acho também que sensibilização e informação são armas de luta e que aos pouquinhos estamos a mudar mentalidades. Temos que começar com os mais novos, pois eles são o amanhã. Os animais são seres vivos, sensíveis e sofrentes, não são brinquedos. Um animal deve ser desejado pelo dono e bem aceite pelos restantes membros da família. Por isso, a compra ou a adoção de um animal deve ser muito ponderada e estar de acordo com a sensibilidade e disponibilidade do novo dono. A crise é uma desculpa para o “abandono supostamente justificado”, que decorre da incapacidade real do dono em continuar a manter o animal. Porque se perde o emprego, porque emigrou,… Ainda assim, mesmos nestes casos o abandono não pode ser a solução. Há que procurar encontrar uma solução junto do grupo de familiares, amigos, divulgando o animal em lojas de animais. Às vezes basta que alguém o possa acolher durante a fase menos boa que o dono atravessa. E se de todo for impossível uma solução deste tipo, as associações de defesa animal tudo farão para apoiar donos responsáveis que por motivos de força maior, reais, são obrigados a separar-se do seu fiel amigo. A esterilização de animais continua a ser a opção para evitar o aumento de casos de abandono, consequentemente de animais errantes. Este controlo passa pela esterilização/castração. A esterilização e a castração é a forma mais eficaz e humana de contribuir para minorar o sofrimento dos animais de companhia. A maior parte do sofrimento dos animais de companhia é, de longe, resultado da sua superpopulação, situação que leva a que todos os dias cães e gatos sejam vítimas de abandono, maus-tratos, morte por atropelamento, … Combater esta triste realidade está nas mãos de todos nós, evitando que os nossos animais de companhia se reproduzam e educando os nossos vizinhos e conhecidos para a importância da esterilização. A esterilização e a castração não só combatem o trágico sofrimento associado à superpopulação de cães e gatos, como também aumentam a esperança de vida dos animais e eliminam ou reduzem os comportamentos incomodativos associados ao cio nas fêmeas e à marcação de território nos machos.