Noite do Mercado movimenta milhares na baixa do Funchal

oi001966.jpg

Fotos: Rui Marote

Já principiou, no Funchal, a Noite do Mercado. A tradição que todos os anos faz convergir muitos madeirenses à zona do Mercado dos Lavradores continua de vento em popa, a julgar pela quantidade de gente que, pouco passava das nove horas da noite, já enchia completamente a zona frontal ao Mercado e as artérias circundantes – com especial destaque para a Rua Fernão de Ornelas, completamente apinhada.

oi001976.jpg

A oferta comercial é ampla e são muitas as barracas de comes e bebes que se vieram juntar aos restaurantes e cafés da zona, onde se reúnem pessoas que por vezes não se vêem umas às outras durante o ano inteiro, mas que acabam fatalmente por encontrar-se nesta noite singular. E é o costume: sorrisos, beijos, abraços e desejos de Feliz Natal e Próspero Ano Novo acabam por andar a par e passo com a degustação da sandes de carne de vinho e alhos ou da poncha, entre licores tradicionais, bolo do caco, outros acepipes e libações “quanto baste”.

oi001952.jpg

Por vezes, verificam-se alguns excessos, e é por isso que lá estão a Polícia, os Bombeiros e as ambulâncias de prevenção para zelar pelos cidadãos menos avisados. O FN observou o dispositivo estacionar nas imediações, de prontidão para as eventuais necessidades, e a PSP começar a patrulhar a área, calma mas conscienciosamente.

oi001974.jpg

Entretanto, um silvo faz-se ouvir: é uma ambulância, e esta não vem apenas para ficar de prontidão, mas para acudir a alguém necessitado. A sirene rapidamente dispersa a enorme multidão, que se afasta de forma ordeira para permitir a passagem do veículo de socorro para a Rua do Hospital Velho. Até aqui, tudo está controlado. Esperemos que o mesmo grau de comportamento civilizacional se mantenha durante toda a noite.

oi002027.jpg

Porque é mesmo uma longa noite. O estacionamento irregular é habitual nesta data. As autoridades fecham os olhos, é só uma vez por ano. A Rua João de Deus enche-se de automóveis estacionados em cima dos passeios. Nessa mesma rua, a Escola Secundária Francisco Franco aproveita para fazer negócio, abrindo o seu estacionamento até altas horas da madrugada a qualquer interessado, em troca de alguns euros. É uma boa opção para estacionar nas imediações do Mercado.

oi002033.jpg

O trânsito anda animado no centro: automóveis para cá, automóveis para lá. As artérias centrais junto ao Mercado estão fechadas ao tráfego automóvel. Ali só circulam pessoas, e os carrinhos que se vêem são os de bebé. Também eles, os infantes, participam nesta noite, nalguns casos dormindo indiferentes ao bulício, noutras observando curiosos as barracas, as luzes, os balões e tanta, tanta gente que os rodeia, que vem e que vai. A música faz-se ouvir pelos altifalantes; noutros casos, sai do acordeão ou da viola de quem trouxe os instrumentos para animar família e amigos, talvez num jantar num qualquer estabelecimento da área, talvez mesmo num mais singelo convívio ao ar livre.

oi001978.jpg

Atarefada, a equipa da RTP prepara-se para fazer a habitual transmissão televisiva, que levará estes momentos ao convívio dos que estão em casa e não quiseram ou não puderam comparecer, e também das comunidades madeirenses espalhadas pelo mundo. Nesse campo, julgamos nós, também contribuímos, à nossa maneira, via Internet, utilizando os mecanismos da era digital e as redes sociais.

oi002007.jpg oi002012.jpg

Houve tempo, dizem-nos, em que a noite do Mercado era mais genuína, mais tradicional, em que se ia mesmo para fazer compras, beber um copo, conviver. Não era tão comercial, com tanto espectáculo. Talvez, mas os tempos transformaram esta ocasião num autêntico cartaz turístico, genuíno e não particularmente embelezado para turista ver. A adesão dos cidadãos é óbvia, e podemos observar entre eles múltiplos visitantes estrangeiros, passeando, do mesmo modo espontâneo, aqui provando poncha, ali um licor, ali uma cerveja, e gostando de conviver com os locais. Um palco montado frente ao Mercado promete animação e variedades para quem aprecia o género de folia que esta noite proporciona.

oi002031.jpg

A objectiva do repórter fotográfico Rui Marote captou diversos instantâneos, ângulos e perspectivas desta vivência, que junta “nobres e plebeus” no usufruto do mesmo hábito de reunião e festividades. Aqui os deixamos não só para mera informação, mas para que os saudosos e distantes os apreciem. A ‘Noite do Mercado’ do Funchal já começou, mas ainda tem muitas horas pela frente. O recinto ainda se vai abrir aos visitantes, e os cânticos de Natal soarão, em animados coros, antes que muita comida e muita bebida seja consumida, sempre num espírito são e bem-disposto.  São esses os nossos votos. Bom Natal para todos.

oi002010.jpg