Lista “alternativa” não quer polémicas na Santa Casa da Misericórdia de Machico

A Santa Casa da Misericórdia de Machico vai a votos no dia 22 de dezembro e neste momento há só uma lista candidata, que se afirma alternativa na medida em que é composta por elementos que não pertencem à atual direção liderada por Luís Delgado.

santa-casa-imagem-a
Santa Casa da Misericórdia de Machico vai a votos a 22.

Nélia Martins, candidata a Provedora, recusa eventuais polémicas e diz-se focada apenas em valorizar a instituição, credibilizar processos através do rigor e da transparência, procurando dignificar todo o trabalho que foi desenvolvido na Santa Casa.

Rigor e sustentabilidade

Sob o lema “Não basta fazer o bem, é necessário fazê-lo bem”, esta lista aposta “no rigor, na qualidade e na sustentabilidade, na interação com a comunidade local” como temas centrais do projeto de liderança.

Com um orçamento de cerca de dois milhões, a Santa Casa, segundo a candidata “é uma instituição com trabalho feito, com relevância social, para a qual queremos trabalhar e dar o nosso contributo, daí colocarmos à disposição diversas pessoas empenhadas em colaborar no projeto de consolidação e crescimento”.

Lista não é contra ninguém

Esta lista candidata “não é contra ninguém, mas sim a favor da Santa Casa. Podemos não concordar com todas as decisões, mas neste momento não é isso que nos move”. Recusa criticar medidas em particular, e embora admita que o surgimento desta lista possa refletir algum descontentamento, diz claramente não ser esse o mote da candidatura”.

A Lista liderada por Nélia Martins pretende, acima de tudo, seguir um caminho sem críticas ao anterior trajeto, pelo menos até tomar conhecimento de toda a situação interna, o que só acontecerá na plenitude se ganhar o ato eleitoral de 22 de dezembro.

Em termos de processo eleitoral, a lista encabeçada por Nélia Martins ainda não deu oficialmente entrada, mas assume desde já a candidatura, ao mesmo tempo que se desconhece se a atual direção de Luís Delgado irá ou não apresentar-se a votos no dia 22. Sabe-se que Luís Delgado mantém, para já, o silêncio relativamente a este processo. Luís Delgado é Provedor desde 1993.