João Rodrigues ergueu a bandeira nacional na abertura dos Jogos Olímpicos

João Rodrigues
Fotos facebook João Rodrigues

A cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos do Rio’2016 foi ontem à noite.

O porta-estandarte da comitiva olímpica portuguesa foi o atleta madeirense, João Rodrigues.

Ele que, no seu mural do facebook, escreveu o que sentiu:

“A Bandeira

Quando despertei, dei-me conta: “É hoje!” Como se tudo convergisse para um momento, cujos contornos já se distinguem no horizonte e que, paulatinamente, foi-se materializando ao longo de quatro, não, oito, desculpem, 12, que digo eu, 16, não, ainda não, 20, quase lá, 24, só mais um pouco, 28 anos! Quiçá era este o meu papel nesta linda história. É uma história com altos e baixos, com tristezas e alegrias, com lágrimas de dor e outras de tanto rir, com tempestades e bonanças, espelhos de água e mares revoltos. É uma vida. É a vida.
Tenho 44 anos. Pensava ser uma pessoa moderadamente equilibrada. Com o passar dos tempos, cria que as rugas, os cabelos brancos, tinham-me dado algum calo na alma. Enganei-me. Nos últimos meses, ando com as emoções à flor da pele. Quando ouço o hino de Portugal, veem-me lágrimas aos olhos. Não consigo olhar para a nossa bandeira, tão bonita, sem me emocionar. De dia para dia, vou-me arrepiando cada vez mais frequentemente. Não consigo já me controlar. Dou por mim a chorar no duche, agora, neste preciso momento, escorrem-me lágrimas cara abaixo, e até a dar entrevistas já perco o controlo. Mas reparem, é tudo tão absolutamente bonito! São lágrimas de alegria, de felicidade. Que forma de terminar um sonho! Mas é também a constatação de que sinto, hoje e sempre, um inabalável orgulho em ser português!
João Rodrigues2Quando esta noite entrar no estádio do Maracanã, levando o símbolo que nos identifica como portugueses, são esses sentimentos que transporto comigo. Não é uma responsabilidade, é acima de tudo, uma enorme honra!
Obrigado! Obrigado por me darem mais esta oportunidade! Às vezes pergunto-me: “Porquê eu?” Merecerei eu tamanhas realizações? Tenho tanta dificuldade em conviver com alguém que, apresentando tantas limitações, sabe o potencial que o ser humano tem. Tenho plena consciência de que fiz algumas coisas bonitas, mas também falhei tanto. No final, para que lado terá pendido a balança?
Mas isso agora é algo que não está mais sob o meu controlo. Merecendo ou não, vou pelo menos fazer por merecer esta derradeira presença Olímpica. Podem ter a certeza de que hoje, quando entrar no estádio com a nossa bandeira, levo no coração mais do que ele algum dia imaginou poder aguentar. Levo uma família, amigos, toda uma ilha, um país e milhões de portugueses espalhados por essa aldeia chamada mundo! Não é presunção! Só assim poderia ser e só assim poderia um porta estandarte desfilar, encabeçando o melhor que o país tem! São 92 atletas que representam o melhor que o país tem!
Sigam-nos, vibrem por nós nas vitórias, apoiem-nos nas derrotas e no final do dia, orgulhem-se de nós e de quem somos! Acreditem, vamos nos entregar de corpo e alma! Porque só assim vale a pena! Vale sempre a pena, quando a alma não é pequena! E que enorme é a alma lusa!
Viva Portugal!”