Novo tanque de gás no porto ‘chumbado’ pela APRAM

piscina-hotel-003.jpg.jpeg

Rui Marote (texto e fotos)

O Funchal Notícias apurou que o Grupo Pestana solicitou à Administração dos Portos da Madeira (APRAM) autorização para instalar  um tanque de gás no parque de estacionamento, junto à rampa do cais norte, sendo que esta rampa é um beco sem saída. A solicitação, segundo o FN soube, destina-se a beneficiar o futuro hotel de Dionísio Pestana e Cristiano Ronaldo, que, aparentemente, decidiram criar uma piscina aquecida no topo do edifício, necessitando portanto do gás para esse fim.

A APRAM, todavia, informou que não pode autorizar, porque corre o risco de perder determinadas certificações de segurança no cais norte, não podendo receber navios de cruzeiro, porque o risco é considerado demasiado elevado.

Segundo soubemos, porém, a determinação da APRAM não terá caído bem na Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura, que entende que não pode haver maior protecção para turistas do que para madeirenses.

asneiradas-014.jpg.jpeg

Foi-lhe explicado, no entanto, que a protecção das infraestruturas portuárias decorre de legislação internacional e que a protecção de cidadãos nacionais decorre de legislação nacional. Mas o gabinete de Eduardo Jesus não terá aceitado bem o argumento. O secretário regional da Economia pediu mesmo que lhe fosse enviado o plano de protecção do porto – mas o mesmo é um documento confidencial e não lhe pode ser entregue, ao abrigo da própria lei. Se o quiser consultar, Eduardo Jesus terá de se deslocar às instalações da APRAM.

Como já se sabe, as relações entre a Secretaria da Economia e a APRAM são algo tensas, e este “chumbo” da APRAM ao tanque de gás não contribuiu para melhorá-las. Mas um outro dado veio deitar mais lenha nas mesmas: ordens emanadas da tutela determinaram que fossem substituídos os serviços da NOS no Porto do Funchal, incluindo Internet, telemóveis, telefones fixos e serviços de televisão. A Meo foi a contemplada. Acontece que deveria ter sido aberto concurso para a prestação desses serviços, o que não está a ser feito.

Ou seja: muita tinta vai correr ainda sobre as relações entre a Avenida Zarco e o cais sul…