Pianista Mikola Suk toca Beethoven com a OCM

Mykola Suk ocm
Mykola Suk

A Orquestra Clássica da Madeira protagoniza novo concerto a 7 de Maio, pelas 18 horas, no Teatro Municipal Baltazar Dias.

Este concerto, que surge integrado no 50º Aniversário do Lions Clube do Funchal, será dirigido pelo maestro Igor Gruppman. Participa ainda Mykola Suk, pianista galardoado em vários concursos internacionais.

O programa inclui obras de Ludwig van Beethoven – Concerto para piano e orquestra nº 4, e a Sinfonia nº 4, Em Si Bemol Maior, Opus 60.

 Os bilhetes para o concerto podem ser adquiridos no Teatro Municipal Baltazar Dias, e custam 20 euros, 15 euros para cidadãos seniores, 10 euros para associados e 5 euros para as crianças dos 6 aos 12 anos.

Gruppman ocm

O maestro convidado

Igor Gruppman, o maestro convidado, é um artista cuja carreira inclui êxitos em vários campos artísticos. Aclamado pela crítica pela sua profundidade na interpretação e sensível musicalidade, Igor Gruppman possui uma carreira emocionante e multifacetada como maestro, solista e concertino de orquestra, sublinha a Associação Notas e Sinfonias Atlânticas, organizadora do concerto.

Como concertino da Orquestra Filarmónica de Rotterdão, é convidado com frequência de Orquestras como: a Sinfónica de Londres, a Royal Philharmonic de Londres e St. Martin in the Fields. Gruppman tem colaborado e foi influenciado por alguns dos mais conceituados maestros da sua geração, incluindo Solti, Gergiev, Rostropovich, Colin Davis, Rattle, Haitink e Yannick Nézet Séguin.

Gruppman dirige orquestras em quatro continentes. Fez a sua estreia com a Orquestra Filarmónica de Roterdão na temporada 2006/07, com a realização de uma apresentação especial de Páscoa das últimas Sete Palavras de Haydn e Gubaidulina na Catedral de Roterdão. Este programa foi repetido durante no Festival de Páscoa em Moscovo, onde Gruppman partilhou o pódio com Valery Gergiev. Mais recentemente, dirigiu a Orquestra Filarmónica de Roterdão com dois programas aclamados pela crítica dedicados a Mendelssohn e Mozart no Grande Salão de Doelen em Roterdão, onde além de dirigir a RPHO, fez a estreia na Holanda do recentemente reconstruído Concerto de Mozart para Violino e Piano (Op. 315F) com o pianista Ronald Brautigam. Em 2015/16, Gruppman irá realizar música de câmara com Emanuel Ax na primeira parte de um concerto e dirigir a Sinfonia n.1 de Beethoven na segunda parte.

 A sua estreia com a Orquestra Mariinsky, aconteceu no Festival de Páscoa de 2008, em St. Petersburgo, numa substituição de último momento a Valery Gergiev, por motivos de doença e, desde então têm dirigido regularmente esta Orquestra. Em janeiro de 2010, Gruppman foi galardoado com o prémio artista do mês pelo Teatro Mariinsky. Em 2014/15, Gruppman dirigiu uma série de três programas em St. Petersburgo.

Ainda na temporada de 2014/15, Gruppman fez a sua estreia com a Orquestra Clássica Santa Cecília, em Madrid.

 A Primavera de 2015 marcou o lançamento de uma nova orquestra, Solistas da Europa, formada por Gruppman e amigos.

Nos Estados Unidos, além de outras participações, Gruppman ocupa o cargo de Maestro Titular da Orchestra at Temple Square em Salt Lake City. Estes concertos são agora regularmente transmitidos na televisão por cabo nos EUA e no exterior. Nas últimas temporadas, vários artistas de renome internacional tocaram com esta orquestra, incluindo Renee Fleming, Bryn Terfel e Ida Haendel.

ocm

 Na Ásia, Igor Gruppman regularmente dirige e toca a solo com a Filarmónica de Seul.
Como solista, Gruppman é aclamado pela crítica pelo seu “tom rico e bonito, fraseado elegante, condução, paixão e virtuosismo.” (Strad Magazine). Gruppman dá continuidade à tradição dos seus professores, Leonid Kogan e Jascha Heifetz. Mais recentemente, Gruppman recebeu comentários brilhantes pelas suas performances do Duplo Concerto de Brahms, sob a batuta de Valery Gergiev e o Segundo Concerto para Violino de Prokofiev sob a batuta de Yannick Nézet Séguin, com a Orquestra Filarmónica de Roterdão.

 As gravações a solo de Gruppman foram recebidas com entusiasmo por parte da imprensa internacional: Reverie Berlioz ‘e Caprice (Naxos); Poema Autunnale de Respighi (Koch); de Miklos Rosza Sinfonia Concertante e o Concerto para Violino (Koch), marca o primeiro lançamento deste concerto desde a gravação feita por Heifetz para quem esta obra foi escrita. No concerto de Arnold para Dois Violinos e Orquestra com a Orquestra de Câmara de San Diego ganhou um Grammy.

Gruppman é pós-graduado pelo Conservatório de Moscovo, onde estudou com Leonid Kogan e Mstislav Rostropovich, tendo seguido os estudos com Jascha Heifetz em Los Angeles. Neste momento, leciona na faculdade do Conservatório de Roterdão. Igor e Vesna Gruppman co-fundou o Instituto Internacional de Violino Gruppman em 2002 para selecionar, ensinar e desenvolver carreiras de violinistas excecionalmente talentosos de todo o mundo, utilizando a mais recente tecnologia de videoconferência.

Como violinista, Gruppman toca num Stradivarius “Julles Garcin” de 1731, cedido pela Fundação Erasmus.

Solista convidado: Mikola Suk

“Irá revelar-se um dos talentos mais formidáveis que apareceu no nosso país nos últimos anos, pela sua surpreendente mistura de força muscular, poesia e controle” (American Record Guide).

Esta frase soa a verdade sobre o pianista Ucrâniano|Americano – Mykola Suk, que ganhou reputação internacional como vencedor do 1º prémio e medalha de ouro no Concurso Internacional Liszt-Bartók em Budapeste, Hungria, em 1971, reza a informação divulgada pela ANSA.

A sua carreira internacional expandiu-se pelos quatro continentes, tendo-se apresentado nas mais prestigiadas salas desde a Grande Sala do Conservatório de Moscovo ao Carnegie Hall em Nova Iorque.

“… enorme controlo digital… Uma técnica impressionante colocada ao serviço do carácter musical. Suk nunca usou o piano como show off, usa-o ao serviço das ideias expressivas de Lizt” (Toronto Star).

Suk apresentou-se a solo com inúmeras orquestras, desde a Orquestra Sinfónica Nacional Russa, sob a direção de Mikhail Pletnev até à Orquestra Beethoven de Bona, sob a direção de Roman Kofman. Colaborou artisticamente com maestros de renome internacional, tais como Charles Bruck, Janos Ferencik, Arvid Jansons, Stefan Turchak, James De Preist e Carl St. Clair. As entrevistas, as performances ao vivo e gravações em CD, foram transmitidas nos EUA, Canada, Europa e Ásia, nas principais estações de rádio e outros sistemas de transmissão.

Desde a sua primeira audição pública aos 8 anos Mykola Suk, apresentou-se em recitais em todos o mundo, em países como a antiga União Soviética, França, Alemanha, Inglaterra, Finlândia, Hungria, República Checa, Macedónica, Croácia, Bulgária, Egipto, Eslovénia, México, EUA, Canada, Coreia, China, Mongólia e Austrália. O JornalEuropean Piano Teacher´s escreve que Mykola Suk é “certamente o mais imponente e vulcânico talento vindo da Rússia, depois de Anton Rubinstein.” A paixão de Suk pela Música de Câmara levou-o a muitos e distintos festivais de música, com colaborações internacionais entre elasKuhmo Chamber Music Festival, na Finlândia, o Australia Festival Chamber Music, o Festival de Música Internacional de Kiev na Ucrânia, e ao International Keyboard Institute and Festival em Nova Iorque.

Suk acredita avidamente na literatura para piano dos séculos XX e XXI. Teve a honra de estrear inúmeras obras, em especial de compositores Ucranianos tais como Valentin Silverstrov, Ivan Karabyts e Myroslav Skoryk. Muitas das obras foram compostas e dedicadas a Suk, ou encomendadas por ele.

Mykola Suk terminou o grau de Doutor em Artes Musicais/Piano Performance no Conservatório Estatal de Moscovo onde estudou com Lev Vlassenko. Detém também um grau de Bachelor/Master of Music, Pedagogia e Música de Câmara pelo Conservatório Estatal de Moscovo. Antes de se mudar para os EUA, foi professor de piano no Conservatório Estatal de Kiev e no Conservatório Estatal de Moscovo.

Suk leccionou imensas masterclasses em muitos festivais e instituições musicais a nível internacional. Foi membro de várias escolas de música como a New England Conservatory Manhattan School of Music(Nova Iorque), Columbia University (Nova Iorque), e na University of Southern Alabama. Em 2001 Suk estabeleceu-se em Las Vegas, Nevada, ficando com a responsabilidade dos estudos de Piano na Escola de Musica da Universidade de Nevada em Las Vegas.

Suk gravou para as seguintes etiquetas: Melodia (Rússia); Russian Disc, Hungaraton, Meldac/Triton (Japão), Troppe Note/Cambria and Music & Arts (EUA), obtendo extraordinárias críticas.