Fenprof interroga Governo como vai cortar 300 milhões de euros com pessoal na Educação

/LC/

Foto: terranova
Foto: terranova

Por TSF/LUSA

A Fenprof quer que o Governo explique como vai cortar 300 milhões de euros em despesa com pessoal na Educação, como previsto no Orçamento do Estado, sem despedir professores nem transferir o pagamento de salários para fundos comunitários. A questão foi formulada pelo secretário-geral da Federação Nacional dos Professores.

Mário Nogueira, pergunta “como é que o Estado poupa 300 milhões de euros em recursos humanos na Educação, se este é um ano não apenas de manutenção da verba, mas em que terá de haver reforço da verba, uma vez que se vão repor os salários na íntegra. Isto só tem duas explicações: ou vão reduzir ainda mais o número de docentes ou então prevê-se que os seus salários passem a ser financiados por fundos europeus”.

Perante as dúvidas, a Fenprof vai solicitar uma reunião ao ministro da Educação.

Questionado pela TSF, o gabinete de Tiago Brandão Rodrigues diz que as dúvidas da estrutura sindical serão desfeitas nesse encontro.

A mesma fonte rejeitou a hipótese de despedimentos bem como a questão da transferência para os fundos comunitários do pagamento dos salários dos docentes.

De acordo com a TSF, na reposta escrita que foi enviada a esta estação de rádio, lê-se ainda que o orçamento está em discussão em sede própria, ou seja a Assembleia da República, e que a reposição de salários está orçamentada no Ministério das Finanças.