CDS preocupado com os idosos critica “política da avestruz” de Rubina Leal

cds2O grupo parlamentar do CDS-PP visitou esta manhã o Lar da Bela Vista para pronunciar-se sobre a situação dos idosos na Madeira que considera ser preocupante. O porta-voz, Mário Pereira, lamenta que a Secretária Regional da Inclusão e Assuntos Sociais adote “a política da avestruz, passando mais tempo na comunicação social em vez de exigir as verbas necessárias à Secretaria das Finanças para resolver os graves probemas que afetam os idosos”.

O facto de a Madeira ter a mais alta taxa de desemprego do país faz com que, segundo salientou o deputado Mário Pereira, as famílias não tenham condições para “apoiar os seus entes queridos”. O quadro regional é, pois, desolador: “As farmácias na Região já não fornecem os lares públicos por falta de pagamentos, além de que o apoio domiciliário está muito limitado; há uma grande falta de enfermeiros que não são contratados porque não querem pagar”.

O CDS tem proposto medidas, nomeadamente na Assembleia Legislativa da Madeira, mas chumbadas pelo PSD. Mário Pereira, acompanhado de Rui Barreto, recordou que a proposta do CDS de criação de um sistema de televigilância, de apoio aos idosos e famílias não passou devido ao chumbo do PSD. A ideia era manter os idosos com as famílias e criar um um sistema de alerta e vigilância permanente.

No próximo orçamento retificativo, defendeu Márrio Pereira, devem ser corrigidas todas as carências existentes; há que reservar verbas específicas para solucionar estes problemas, nomeadamente a contratação de enfermeiros e garantir os medicamentos a tempo e horas aos mais velhos.

É preciso esgotar todas as camas existentes nos lares privados, recomenda também o CDS. “Não se pode admitir que haja 460 altas problemáticas. Esta questão não tem solução com retórica política mas com os necessários recursos financeiros”.