JPP avança com comissão de inquérito para analisar passivo do JM

screenshot_2015-12-01-01-28-53.png

O grupo parlamentar do Movimento Juntos Pelo Povo (JPP) deslocou-se às instalações da Empresa Jornal da Madeira (EJM), segunda-feira, 30 de novembro, para consultar e reproduzir documentação, no cumprimento da decisão judicial do Tribunal Administrativo e Fiscal do Funchal, deliberação de 18 de novembro.
A EJM disponibilizou ao JPP várias faturas e documentação, no estrito dever de cooperação com os deputados, que agem no exercício das suas funções de fiscalização das empresas e instituições públicas. A consulta e reprodução dos documentos duraram cerca de 5 horas, informou o partido.
“O Juntos Pelo Povo reproduziu a documentação cedida, para depois analisar de forma mais cuidada e confirmar se foram facultados todos os documentos já anteriormente pedidos, mas que a EJM se recusava a entregar, numa clara violação dos princípios estatutários do poder dos deputados da Assembleia Legislativa da Madeira (ALRAM).

“Agora, iremos proceder a uma análise incisiva e pormenorizada sobre os elementos recolhidos e, logo que possível, serão divulgados os dados referentes a esta diligência”, afirmou o deputado Rafael Nunes.

O JPP vai também avançar com o requerimento para uma comissão parlamentar de inquérito ao passivo do JM e, depois da análise destes documentos, vai requerer outros elementos importantes para o processo.
Com esta ação de fiscalização, o JPP pretende apurar como e onde foram gastos os 52 milhões de euros que a EJM apresenta como passivo, uma empresa que, sublinhe-se, usufrui de dinheiros públicos.