Roberto Almada responde a Lopes da Fonseca

be-roberto-almada005O Bloco de Esquerda discorda da posição assumida pelo dirigente centrista, Lopes da Fonseca. Roberto Almada fez chegar ao FN um esclerecimento, que se publica de seguida.

“Um Sr. Deputado da Direita Radical e Extremista, que roubou nos salários e nas pensões e colocou os portugueses a ‘pão e água’, pensando que os madeirenses são um bando de ignorantes, veio ontem zurzir, para a comunicação social, contra o eleitorado da Madeira e do Porto Santo que, livremente, nas últimas eleições, elegeu um Deputado do BE à Assembleia da República. Num discurso bafiento e ofensivo à inteligência dos madeirenses e portossantenses, tem-se queixado essa pessoa, e outras da mesma direita radical, de que os eleitores desta região haviam sido enganados pelo facto de, segundo ele, o BE não ter dito qual a sua posição sobre o Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM) e outras baboseiradas a que já nos acostumaram semelhantes figuras. Chamando ignorantes aos madeirenses, esse parlamentar da direita radical e extremista – cujo partido, nos últimos quatro anos, roubou nos salários e nas pensões dos madeirenses e colocou os nossos concidadãos a ‘pão e água’ -, tem afiançado também, que os madeirenses, por não perceberem nada disto, pensaram que por ter estado na rua cartazes da líder bloquista, Catarina Martins, era nela que estariam a votar e não no seu partido, o BE. O Povo da Madeira e do Porto santo não merece ser maltratado desta forma e ser chamado de ignorante por quem deveria defender os seus direitos. Percebe-se que os senhores do CDS tenham vergonha do seu líder nacional, e o tenham escondido. Não é, certamente, o nosso caso.

O Sr. Deputado Fonseca é que talvez não se tenha dado conta que os madeirenses perceberam que o CDS é uma força oportunista e falsa e, como pessoas inteligentes que são, lembraram-se dos roubos que foram feitos, por esses radicais e extremistas, a milhares de trabalhadores deste país que perderam salários e pensões, viram os impostos aumentar, o desemprego a disparar e a pobreza a tomar conta de Portugal e da Madeira, de forma irrevogável.

O Povo Madeirense demonstrou não ter memória curta e lembrou-se bem, na hora do voto, do que o Bloco tem afirmado, inúmeras vezes: que é a favor de todos os incentivos fiscais dados às empresas que criem postos de trabalho efectivos, paguem impostos e deixem riqueza na Região. Estejam essas empresas sedeadas no Caniçal, no Porto Moniz, no Porto Santo ou em qualquer outra parte do nosso arquipélago. Mas sabem que o BE opor-se-á a negócios escusos, a aldrabices e a lavagem de dinheiro, seja lá onde for! Talvez seja altura dos senhores da direita radical e extremista perceberem que o Povo, de vez em quando, muda o seu voto e que devem aceitar, com humildade, a decisão do eleitorado, por muito que ela custe. Nós sabemos – como ninguém! – que às vezes custa, mas tem de ser!

Por último, talvez seja dos senhores que ainda estão aziagos com a decisão do eleitorado madeirense passarem na farmácia do Sr. Teófilo, do Sr. Martinho ou do Sr. Lídio e comprarem um medicamento para a azia. Sempre ajudam a economia e talvez se sintam melhor. As melhoras a todos, são os desejos do Roberto Almada por enquanto, Coordenador Regional do BE Madeira”.