Grécia poderá estar quase a sair da zona euro e da UE

grecia-santorini-005

A tensão sobe nos mercados europeus, à medida que a situação da Grécia se prolonga. Hoje, pela primeira vez, o banco central grego anunciou, pela primeira vez, que o país poderá estar numa “via dolorosa” para a saída do zona euro e da União Europeia.

O aviso vem ao mesmo tempo que o governo grego e os seus credores internacionais trocam acusações sobre a incapacidade de chegarem a um acordo sobre as reformas económicas, refere a BBC. Esse falhanço está a impedir a libertação de mais de 7 mil milhões de euros em fundos destinados ao resgate da dívida grega.

Cerca de trinta mil milhões de euros foram retirados de contas bancárias nos bancos gregos entre Outubro e Abril, referiu o banco central grego.

Entretanto, os gregos interrogam-se sobre se deverão ressuscitar a antiga moeda nacional,

Comentadores internacionais têm alertado para a importância incontornável de se alcançar um acordo.

Apesar do aviso, as acções sofreram um aumento de 0.8% na bolsa grega. O índice de Atenas na bolsa caiu 11 por cento desde a sexta-feira passada, com as acções dos bancos a sofrerem a maior desvalorização.

O chanceler austríaco Werner Faymann esteve em Atenas na quarta-feira, numa última tentativa de resolver o impasse.

“Para a Europa ser forte, deve mostrar solidariedade e apoio a qualquer país que deles necessite”, disse, durante um encontro com o presidente grego Prokopis Pavlopoulos.

O aviso veio antes de um encontro dos ministros das finanças da zona euro na quinta-feira, que baixou as expectativas de uma decisão ser efectivamente alcançada.

Os comentários do chanceler austríaco vieram na sequência de uma crítica do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que na quinta-feira acusou o governo grego de iludir os eleitores, depois de o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras acusar a União Europeia e o FMI de humilharem o seu país.