Orquestra Clássica interpreta obras de Mozart e Franck Martin

Alissa_Margulis

A Orquestra Clássica da Madeira, através da Associação Notas e Sinfonias Atlânticas, apresenta-se em palco no próximo sábado, dia 21 de março, pelas 21:30, no Teatro Municipal Baltazar Dias. O concerto estará sob a direção do ilustre maestro Jean-Sébastien Béreau, discípulo dos mais distintos músicos franceses do Séc. XX, como Darius Millhaud e Olivier Messiaen, entre outros. Ocupará o lugar de solista, a violinista Alissa Margulis, apreciada pelas suas performances expressivas e muito emocionais.

Neste concerto serão interpretadas obras de W. A. Mozart: “Abertura de Così fan tutte” e “Concerto para Violino e Orquestra nº 4 em Ré maior K. 218” e, ainda, a magnífica obra de Franck Martin “Concerto para 7 instrumentos de sopro e orquestra”.

Os bilhetes para o concerto estão disponíveis na bilheteira do Teatro Municipal Baltazar Dias e custam 20€, para as crianças dos 6 aos 12 anos 5€.

Jean-Sébastien-BEREAU

Maestro Convidado, Jean-Sébastien Béreau

Jean-Sébastien Béreau ingressou aos nove anos no Conservatório de Paris, onde teve como professores Darius Milhaud, Olivier Messiaen, Louis Fourestier e Maurice Martenot, entre outros. Com apenas vinte e sete anos foi nomeado diretor do Conservatório de Metz e maestro titular da Orquestra Sinfónica da mesma cidade; mais tarde, veio a dirigir igualmente os Conservatórios de Rouen e Estrasburgo.

Durante quinze anos foi professor de Direcção de Orquestra e responsável pelas três orquestras do Conservatório Nacional Superior de Música de Paris; colaborou com Pierre Boulez e Leonard Bernstein.

A par da sua atividade docente, Jean-Sébastien Béreau tem desenvolvido uma intensa carreira internacional como maestro. Foi titular das Orquestras de Metz e Rouen, bem como dos Cantores de Sto. Eustáquio, em Paris, e da “Chorale Strasbourgeoise”, em Estrasburgo. Dirigiu algumas das mais prestigiosas orquestras em Paris, Moscovo, Bruxelas, Luxemburgo, Lisboa, Roma, Manila, Taipé, entre outras. Dirigiu a “Orquestra dos Mil”, composta de mil músicos escolhidos entre os solistas de todas as principais orquestras francesas.

Colaborou com solistas como Aldo Ciccolini, Samson François, Pierre Barbizet, Robert Casadesus, Paul Badura-Skoda, Philippe Entremont, Tatiana Nicolaeva, Yvonne Loriod, Roger Muraro, Maria João Pires, Pierre-Laurent Aimard, Jean Guillou, Yuri Bashmet, Jean-Pierre Rampal, Pierre-Yves Artaud, Pascal Moraguès, Maurice Allard, Maurice André, Tierry Caens, Bernard Soustrot, Régine Crespin, Nicolai Gedda, entre muitos outros. Entre os seus numerosos alunos de Direcção de Orquestra figuram maestros como Pascal Verrot, Pascal Rophé, Vincent Barthe e Martin Lebel.

Além de várias condecorações francesas, entre as quais a “Ordre du Mérite”, foi-lhe atribuído o Prémio de Composição da fundação americana W. and N. Copley.

Atualmente ensina direção de orquestra no Conservatório Nacional de Região de Lille.

Solista, Alissa Margulis

“The Guardian” descreve a maneira de tocar de Alissa Margulis como “excecional”, Ivry Gitlis elogia-a como “uma revelação” e Martha Argerich considera-a de “forte personalidade musical”. Apreciada por performances expressivas e muito emocionais, Alissa Margulis toca regularmente em importantes salas de concerto, como o Palais des Beaux Arts, em Bruxelas, a Colónia Filarmónica, o Musikverein de Viena, a Tonhalle Düsseldorf e Zurique, o St. Petersburg Philharmonic Hall, Bonn Beethovenhalle ou a Schönberg Hall em Los Angeles. Nascida na Alemanha numa família de músicos russos, Alissa Margulis estudou em Colónia com Zakhar Bron, em Bruxelas com Augustin Dumay e em Viena com Pavel Vernikov. Alissa Margulis fez a sua primeira apresentação pública com a idade de sete anos com os Solistas de Budapeste e tem realizado inúmeros concertos com várias orquestras, nomeadamente, Camerata da Suíça, Kremerata Báltica,Düsseldorfer Sinfónica, Orquestra Sinfónica de Jerusalém, SWR, NDR e WDR Rundfunkorchester, ou a Orchestre National de Lorraine, entre outros. Alissa Margulis trabalhou em conjunto com maestros famosos tais como: Jacques Mercier, Arnold Katz, Jaap van Zweden, Enrique Mazzola, Daniel Raiskin, Fabrice Bollon, François-Xavier Roth, Howard Griffiths, Hubert Soudant, Yuri Bashmet, Gidon Kremer, Christian Arming, Augustin Dumay, Mikko Franck e Gerd Albrecht, só para nomear alguns deles.

Além de solista, Alissa Margulis tem uma intensa atividade na área da Música de Câmara, tendo colaborado com artistas tais como: Martha Argerich, Yuri Bashmet, Julian Steckel, Ivry Gitlis, Gidon Kremer, Mischa Maisky, Lilya Zilberstein, Paul Badura – Skoda e Polina Leschenko. Alissa Margulis também participou em festivais como: Festival de Jerusalém Chamber Music, Wiener Festwochen, Lockenhaus, Gstaad Menuhin Festival, em Davos, Tours, Schleswig – Holstein, Verbier ou Maggio Musicale Fiorentino, entre outros.

No ciclo “Martha Argerich and Friends” a EMI Classics editou 6 CD’s de Música de Câmara e repertorio a duo com a participação de Alissa Margulis. Gravou todas as obras de Franz Liszt para violino e piano para a etiqueta Oehms Classics e para a etiqueta Novalis Alissa gravou o Concerto n.º 4 para Violino de Mozart com a Camerata Switzerland, sob direção de Howard Griffith.

Está previsto para breve a gravação do concerto para violino de Alexander Glazunov junto com a Orquestra delle Svizzerra Italiana sob regência de Hubert Soudant, assim como um klezmer CD em conjunto com Lakatos, Myriam Fuks, Polina Leschenko e Mischa Maisky.

Alissa Margulis é detentora de muitos concursos internacionais, entre eles: concurso Wieniawski na Polónia, Concurso Spohr na Alemanha, Concurso para violino em Novosibirsk, Concurso Viotti Vercelli em Itália, Concutrso de Música de Câmara Osaka no Japão, Concurso UNISA em Pretória e em Florença o Concurso Vittorio Gui.

Em 2002 foi galardoada com o prémio “Pro Europa” da European Arts Foundation, o qual foi atribuído por Daniel Barenboim em Berlim. Em 2004 Alissa Margulis recebeu o galardão “Nouvelle Artiste” da Juventutis festival em Cambrai.

Na temporada 2014/15 Alissa Margulis irá tocar com a Philharmonic Orchestra do The State Theatre Cottbus um concerto para violino de Mozart. Também, é convidada para o Mozart Festival 2015 no México.

orquestra_clássica_da_Madeira