Sérgio Gonçalves diz que Albuquerque quer criar contenciosos onde eles não existem

O presidente do PS-M, Sérgio Gonçalves, veio acusar o presidente do Governo Regional de “estar completamente desligado da realidade e de andar distraído”. Em causa estão as declarações proferidas hoje por Miguel Albuquerque a dizer que o PS se recusa a reforçar as verbas para as universidades das ilhas.

O líder do PS-Madeira não aceita as acusações “infundadas” de Miguel Albuquerque. Recorda a a reunião ocorrida ainda na passada semana, na Madeira, entre a ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e o reitor da Universidade da Madeira (UMa), uma ocasião em que Elvira Fortunato anunciou a revisão do modelo de financiamento das instituições de ensino superior.

“O presidente do Governo anda muito distraído com os problemas da República e esquece-se de resolver os problemas da Região, que são da sua competência e responsabilidade”, acusa Sérgio Gonçalves. Para este responsável político, Albuquerque pretende apenas criar um contencioso onde o mesmo não existe.

O PS diz reconhecer os sobrecustos das instituições de ensino superior sediadas nas ilhas. Frisa mesmo que foi quem propôs e concretizou a possibilidade de acesso das universidades das Regiões Autónomas a fundos europeus. Foi também o PS que estabeleceu um contrato-programa para financiar a construção de uma nova residência de estudantes na Quinta de São Roque de 200 camas em 6 milhões de euros, num investimento global para financiamento de 434 camas novas e requalificadas, insiste.

“Albuquerque é demagógico porque sabe que o Partido Socialista assume os compromissos assumidos e sabe que esta iniciativa da ALRAM deu entrada na Assembleia da República em julho de 2021, muito antes da tomada de posse deste actual governo do PS, que, entretanto, já iniciou um processo novo de financiamento e reavaliação de critérios de financiamentos das universidades”, acusam os socialistas.

Conforme recorda Sérgio Gonçalves, no dia 30 de Dezembro a ministra do Ensino Superior reuniu-se com o reitor da UMa e adiantou que está prevista a reformulação do modelo de financiamento das universidades, algo que não acontecia desde 2009.

Elvira Fortunato garantiu um modelo de financiamento transparente e justo, que não vai discriminar nenhuma das regiões autónomas e que vai ter em conta as especificidades das universidades insulares, afirma o PS, que acrescenta que a posição foi aplaudida pelo reitor, Sílvio Fernandes, o qual se mostrou agradado com a revisão desta que considerava ser uma fórmula desajustada.