Loja solidária veste-se de azul para a prevenção do cancro da Próstata e Corrida dos Homens

Está já disponível na Loja Solidária da Liga Portuguesa Contra o Cancro, localizada na Rua das Hortas, todo o material de merchandising alusivo ao Novembro Azul, mês da prevenção do Cancro da Próstata.

Na abertura oficial, o presidente do Núcleo Regional da Madeira, Ricardo Sousa, aproveitou para apresentar o programa das atividades integradas no Novembro Azul, com destaque para a Corrida dos Homens, no dia 26, às 17 horas. A este propósito agradeceu à Associação de Atletismo da Madeira, que tem sido um parceiro desde a primeira hora neste tipo de iniciativas, assim como ao Dr. Ferdinando Pereira, que apadrinha a corrida deste ano, e à sua equipa como mentor e grande entusiasta deste evento e uma das vozes de incentivo à prevenção.

“A doença oncológica também é dos homens e se nós não tivermos atenção e se não tivermos os cuidados no exercício físico, na alimentação, tudo isso poderá ser potenciado”, disse Ricardo Sousa, salientando que, além da Corrida dos Homens, serão realizadas ao longo de todo o mês diferentes atividades como ações de sensibilização, desafios para os mais novos, conferências, assim como o habitual concurso ‘bigode à homem’.

O Presidente do NRM refere que, infelizmente, ainda são realizados seis mil diagnósticos por ano de cancro da próstata, no nosso país, prevendo-se que, até 2040, se atinjam os oito mil, num aumento de mais de 20%. “É preciso ter coragem para vir à rua, caminhar e dar a cara por esta luta”, afirmou.

Por seu lado, Egídio Olim, Vice-Presidente da Associação de Atletismo da Madeira manifestou todo o apoio desta instituição para com as causas solidárias, lembrando a importância da divulgação e da informação para desmistificar a ideia de que este tipo de problemas só acontece aos outros. “Da nossa parte, tudo faremos para trazer bastante gente a participar nesta VI Corrida dos Homens”, sublinhou.

Também Ferdinando Pereira lembrou que o Cancro da Próstata é uma doença silenciosa, mas que pode ter cura em 85% dos casos se for detetado precocemente, sendo necessário sensibilizar a população masculina para fazer o rastreio a partir dos 45 / 50 anos ou 40/45 se tiverem histórico familiar.