Rita Andrade dá conta da integração de cidadãos ucranianos

Decorreu hoje em Estrasburgo o segundo dia do 43.º Congresso dos Poderes Locais e Regionais do Conselho da Europa. Para além da eleição do novo Secretário Geral do Congresso, em que Mathieu Mori (França) venceu com mais de 50% dos votos, foram várias as intervenções e debates sobre a guerra entre a Rússia e a Ucrânia, tendo altos representantes militares e do governo ucraniano participado online, apresentando um ponto da situação, refere uma nota de imprensa. Na ocasião, aproveitaram ainda para reforçar e sensibilizar, com pedidos de apoio aos 47 países membros do Conselho da Europa.

No final do dia e sob o tema “Reception of women and children refugees”, Rita Andrade, secretária regional de Inclusão Social e Cidadania, interveio, apresentando ao Conselho da Europa o exemplo da Região Autónoma da Madeira na recepção e acolhimento dos cidadãos ucranianos refugiados, e toda a operação que o Governo Regional levou a cabo desde o início da guerra entre a Rússia e a Ucrânia, com o objectivo de acolher, integrar e proteger estes cidadãos, na sua grande maioria, cerca de 80%, mulheres e crianças.

A governante realçou ser “difícil compreender como é que os cerca de 500 refugiados que chegaram à Região desde o início da guerra escolheram percorrer mais de 4300 quilómetros para chegar à Madeira, tendo para isso de usar vários meios de transporte, demorando por vezes semanas a chegar. Isto só aconteceu porque, de facto, toda a hospitalidade e solidariedade dos madeirenses, aliada à capacidade de resposta que o nosso Governo demonstrou desde a primeira hora, foi exemplar. Encontrou soluções conjuntas, num esforço concertado, que congregou vontades de entidades públicas, privadas e da sociedade civil”.

“A nossa região tinha uma operação montada ao fim de uma semana do início da guerra, que designou ‘SOS Ucrânia’. Foi possível encontrar soluções de alojamento, através de famílias voluntárias que cederam as suas habitações. Foi também articulada uma grande operação na área do emprego, com centenas de empresas locais a quererem oferecer trabalho, especificamente aos cidadãos ucranianos refugiados. Para facilitar os contactos, o Governo Regional criou um balcão de atendimento específico, com o objectivo de atender e encaminhar os refugiados para os diversos serviços e soluções disponíveis. Foram feitos acordos com diversas entidades, de forma a assegurar o acesso dos cidadãos ucranianos aos transportes públicos, comunicações móveis, apoio médico e apoio psicológico, formação na língua portuguesa, tendo sempre em vista a sua melhor integração”, enumerou Rita Andrade.

“Actualmente, os cidadãos ucranianos que se encontram na Região encontraram soluções de alojamento e emprego, têm acesso aos serviços de saúde, apoios da segurança social, educação, tal como qualquer cidadão madeirense. Do nosso ponto de vista, uma integração de sucesso, com total segurança e conforto para os refugiados da Ucrânia, que são hoje, também, cidadãos madeirenses. A nossa Região está mais rica e temos muito orgulho nisso”, concluiu Rita Andrade.