JPP apresenta voto de pesar pela morte de António Ribeiro Marques da Silva

foto Rui Marote

O JPP apresentou na ALRAM um voto de pesar pelo falecimento, no dia 07 de Setembro, aos 90 anos, do professor António Ribeiro Marques da Silva, figura relevante da cultura e pedagogia madeirenses.

António Ribeiro Marques da Silva nasceu em 1922 na freguesia de São Jorge, concelho de São Vicente. Licenciou-se em 1959 e após concluído o estágio pedagógico, começou a sua actividade docente em Lisboa e mais tarde na Escola Industrial e Comercial do Funchal, actual Escola Secundária Francisco Franco onde além da atividade lectiva foi orientador pedagógico e director da escola. Desempenhou mais tarde funções semelhantes na Escola Gonçalves Zarco.

O gosto pela pintura levou-o a inscrever-se no Curso Superior de Pintura pelo Instituto Superior de Artes Plásticas da Madeira, curso que concluiu em 1980. Foi Director Regional dos Assuntos Culturais entre 1980 e 1982. Da sua intensa actividade cultural, constam ainda diversas colaborações em vários órgãos de comunicação social, bem como revistas culturais de destaque.

Na área das Letras deixa um acervo significativo de obras próprias e traduzidas. Em 1994 publicou o livro “Apontamentos sobre o quotidiano madeirense, 1750-1900”, sendo que no ano de 2004 publicou conjuntamente com o irmão, o também professor Jorge Ribeiro Marques da Silva o livro “Aeroporto da Madeira – Intervenções Artísticas”. No âmbito das comemorações do Funchal 500 anos, publicou em 2008 um conjunto de notas traduzidas intitulado “Passaram pela Madeira”.

Foi ainda deputado pelo Partido Socialista à Assembleia da República na VI Legislatura da República Portuguesa, no mandato compreendido entre 1991 e 1995, onde conseguiu defender, além da sua terra, a educação e a cultura.

Independentemente do inegável contributo que deixou para a cultura e sociedade madeirense importa também destacar o carácter humanista de António Ribeiro Marques da Silva, a sua simpatia e afabilidade que lhe granjearam uma legião de amigos numa vida longa e repleta de realizações pessoais e de contributos para uma sociedade melhor, refere o JPP.