Pedro Fino dá a conhecer Sistema de Alerta de Aluviões da RAM

Uma nota de imprensa dá conta de que, no âmbito da Cimeira Madeira – Açores, que se encontra a decorrer até a próxima quarta-feira, o secretário regional do Ambiente e Alterações Climáticas, Alonso Teixeira Miguel, acompanhado pelo secretário regional de Equipamentos e Infraestruturas, Pedro Fino, visitou o Laboratório Regional de Engenharia Civil, para conhecer o Sistema de Alerta de Aluviões da Região Autónoma da Madeira.

De acordo com o governante açoriano, “os Açores irão dar agora início à criação de um sistema de alerta em bacias de risco em 4 das 11 bacias existentes no arquipélago, nas ilhas de São Miguel, Terceira, Pico e São Jorge, pelo que manifestámos interesse em poder conhecer o sistema da RAM, que já tem parte destas valências, sendo útil “bebermos” do conhecimento que já existe na Madeira”.

Por seu turno, Pedro Fino salientou, na visita o facto de os dois arquipélagos terem em comum a circunstância de ambos serem atreitos às aluviões, daí a relevância de proporcionar a partilha de conhecimento e experiências nesta matéria.

O Sistema de Alerta de Aluviões da RAM baseia-se na monitorização online e contínua das condições meteorológicas da ilha da Madeira e no comportamento das bacias hidrográficas em matéria de instabilidades geológicas e de escoamentos fluviais, sendo o nível probabilístico do risco determinado através da análise estatística e simulação numérica dos diversos factores que potenciam o risco de aluviões.

Durante a demonstração do sistema ao governante açoriano, salientou-se que, para assegurar a qualidade dos dados, fundamental para a eficácia da modelação numérica, o LREC instrumentou a ilha da Madeira, tendo criado redes de telecomunicações próprias para recolha e transmissão de dados em tempo real, bem como um centro de processamento de dados com as diversas interfaces informáticas que interessam aos diversos utilizadores finais.

Actualmente, o Sistema de Alerta de Aluviões incorpora 65 estações meteorológicas automáticas, sendo 33 udométricas e 32 multiparamétricas para medição, em tempo real, de todos os parâmetros climatológicos que importam à modelação numérica e 13 sensores de humidade de solos. Os pontos de monitorização estão instalados, maioritariamente, a cotas elevadas, onde se iniciam as aluviões, cobrindo as principais bacias hidrográficas regionais.

Integra ainda 32 câmaras de videovigilância para acompanhamento das condições do escoamento fluvial, em quatro das principais bacias hidrográficas regionais 3 no Funchal e a Ribeira Brava, bem como 3 sensores sísmicos e 2 de níveis fluviais, para investigação e desenvolvimento de novas funcionalidades em matéria de avaliação de riscos.