Entrevista FN: Francisca voa sobre rodas, conquista o ouro em Roma e já trabalha para o campeonato do mundo

O pódio, em Roma, marca uma estreia no campeonato europeu com a conquista do ouro.

A Francisca Henriques é uma jovem atleta madeirense que fez a proeza de, a 4 e 5 de setembro deste ano, conquistar a medalha de outro no campeonato europeu de patinagem  de  velocidade, em Roma.

Os 15 anos da atleta do Clube Sport Marítimo têm sido vividos entre o estudos (transita agora para o 10 ano de escolaridade) e as pistas, com uma dedicação ímpar ao desporto, nomeadamente à patinagem de  velocidade. ”Para mim, o desporto é uma segunda vida. Não pratico desporto para desanuviar mas por um gosto genuíno que me tem sempre acompanhado”, confessa ao FN, numa pausa dos treinos para dois dedos de conversa.

Regressada à Madeira, após as competições em Itália, onde subiu ao primeiro lugar do pódio, a 4 , nos 200 metros, e com nova conquista do ouro, a 5 de setembro, nos 500 metros, sente que o seu sonho se tornou realidade, tendo mesmo superado as suas próprias expetativas. Não foi coisa pouca. Foi o primeiro europeu da Francisca Henriques a fazer o incrível: a medalha de ouro. Também ganhou a medalha de bronze na variante de pista.

Depois do ouro em Itália, trabalhar para o campeonato do mundo.

A estudante de socioeconómicas da Escola Secundária Francisco Franco, à beira de começar o ano letivo, reconhece que é exigente conciliar os estudos com os treinos diários, mas também a este nível tem conseguido gerir bem as tarefas e até obter boas notas. Começou há 9 anos, no Marítimo, nos colchões, pavilhão, patinagem e depois foi evoluindo. O gosto pela patinagem de velocidade não é um desporto popular na Madeira mas tem evoluído. A Francisca não esconde a predileção, desde sempre, por rodas, velocidade e adrenalina. Certo dia, cruzou-se, no Funchal, com atletas a praticarem a patinagem de velocidade, que desconhecia, e começou a interessar-se até investir em força nesta modalidade. À vontade, juntaram-se os apoios e a recompensa foi garantida.

O ouro não se conquista sem apoios, salienta a atleta ao Funchal Notícias que agradece ao Marítimo, secção de patinagem, o grande apoio que sempre lhe tem prestado, não lhe faltando com nada. O agradecimento vai também para o seu treinador, Francisco Figueiredo, que tem sempre acreditado na atleta e tem dedicado muitas horas de treino a aperfeiçoar o seu desempenho, acreditando sempre que era possível a vitória em forma de ouro. Agradece também a oportunidade que lhe foi dada de participar no campeonato europeu, representando o seu país. Naturalmente que a família é também vitoriosa neste percurso da Francisca, nomeadamente o pai e a mãe que estão sempre presentes nas competições, acompanham-na para todo o lado, partilhando com a jovem atleta todas as lágrimas e sorrisos.

Conquistado o ouro em Roma, a meta continua ainda a ser desenhada nos ideais da Francisca Henriques. De forma segura e expedita, revela que o objetivo que se segue é trabalhar para estar sempre nos pódios e conquistar a medalha de ouro do campeonato do mundo, naturalmente  quando chegar aos juniores. Trabalho, muito trabalho pela frente. Mas Francisca, como o poema de Camões, caminha segura e confiante e voa bem longe.

Viver na ilha é desafiante para a atleta. Já sentiu, mais no passado, as limitações. Neste momento, confessa que tem tido muitas facilidades em vários domínios, o que demonstra que já há uma boa visão do que é a patinagem de velocidade. Com evidente otimismo e confiança na voz, a Francisca deixa antever que o céu é o limite.

Uma receção dos atletas na Quinta Vigia, em 2020, com atletas e familiares (com a mãe da Francisca, Raquel Henriques, primeira da esquerda).