CDU atribui responsabilidade ao GR “por diversos projetos megalómanos”

Foto DR

 A CDU promoveu, esta manhã, uma iniciativa política dedicada aos “escangalhanços do regime”.

Junto ao edifício da Empresa de Eletricidade da Madeira (EEM), no Funchal, Edgar Silva afirmou que «o Governo Regional da Madeira é responsável por diversos projetos megalómanos, a que corresponderam tantos casos de esbanjamento de dinheiros públicos. Foram projetos que serviram para escangalhar o interesse público regional. Neste sentido, a EEM é bem um dos símbolos do regime vigente nesta Região Autónoma, cuja marca é escangalhar dinheiros públicos, património e meios, que deveriam servir para o desenvolvimento regional. Exemplo maior do “escangalhanço do regime” é o projeto das algas para a produção de biocombustível na Ilha do Porto Santo. Foram esbanjados cerca de 50 milhões de euros num projeto que se destinava a garantir uma alternativa energética para o Porto Santo, e tudo não passou de uma fraude política! Nem houve alternativa energética, nem os 50 milhões de euros escangalhados naquele projeto tiveram uma utilidade para a Região».

«Os governantes prometeram a sustentabilidade ambiental do Porto Santo; os governantes anunciaram um projeto com dimensão internacional; produzindo biocombustível para incorporar na produção de eletricidade, os governantes garantiram que teríamos uma inovação tecnológica de referência a nível europeu; os governantes chegaram ao ponto de fazer a propaganda sobre as algas do Porto Santo apresentadas no Dubai, na Conferência Mundial sobre biocombustíveis alternativos; e tudo não passou de uma tremenda fraude política», disse Edgar Silva.

«Os governantes juraram não subsistir qualquer dúvida acerca da base/sustentabilidade económica e financeira do projeto, A vida veio a demonstrar um monumental esbanjamento de cerca 50 milhões de euros.»

De acordo com Edgar Silva, «as obras megalómas promovidas pelo Governo Regional da Madeira não pararam: apesar de todos os escangalhanços, o regime não tem emenda. Este regime não se inibe no anúncio de projetos tresloucados. Vejamos o anúncio do novo túnel no Funchal, entre as freguesias de São Martinho e São Gonçalo, que é mais uma das expressões do contínuo “escangalhanço” que identifica o Governo Regional. Ou seja, o que mais faz este Governo Regional é muito prometer para muito esbanjar, propagandear para escangalhar. Esta é a natureza do regime, que não consegue ser de outro modo».