Estepilha: comércio entre Madeira, Açores e Canárias estagnado para sempre?

Rui Marote
Quem não se lembra das cimeiras Madeira-Canárias, nos Governos de AJJ? Na Madeira havia um social-democrata e nas Canárias um socialista. Mas entendiam-se, com intercâmbios no turismo e cultura. A memória veio-nos recentemente, ao ouvirmos as críticas de cidadãos canários à falta de comércio entre as duas regiões.
Anos atrás. João Carlos Abreu estabeleceu um entendimento com o secretário do comércio em Las Palmas e os empresários canários: a Madeira chegou a exportar um contentor com vinho Madeiral bolos de mel e outros produtos regionais para Gran Canaria.
Não havendo transporte directo para aquelas ilhas, o contentor viajava para Lisboa e dali para Las Palmas. Uma garrafa de vinho atingia o preço de uma garrafa de whisky. Talvez por isso, o negócio durou algum tempo e não vingou.
O Funchal Notícias sabe que há interesse dos canários em importar produtos madeirenses, inclusive massas da Insular de Moinhos. Os laticínios dos Açores são, por outro lado, também interessantes para “nuestros hermanos”.
Um cidadão canário salientou ao Estepilha não entender como é que o Parlamento fala tanto da falta do Armas no trajecto Madeira-Las Palmas e na linha para Portimão. O Armas nunca realizou uma viagem entre os dois arquipélagos com mercadorias da Madeira para Canárias e vice versa. Só carros e pessoas. Era útil, sem dúvida, mas porque não o comércio?
Madeira e Açores não têm oportunidade de exportar os seus produtos a Canárias, apesar de os mesmos terem muita qualidade. Só não são competitivos porque Canárias não abdica do imposto ás importações.
Dizem eles que deveriam haver mais facilidades entre ilhas, regiões ultraperiféricas no seio da UE. Que isso é um esquecimento de quem detém a pasta da economia e que não estudou o mercado das Canárias como deve ser.
Estes assuntos são preocupantes para alguns empresários canários que conhecem bem a Madeira  e os seus produtos, e que há muito esperam por negociações sérias sobre estas matérias de modo a contribuir para a evolução dos diversos arquipélagos.
Eles até brincam com o caso Binter: entrou de mansinho e está neste momento a ganhar dinheiro com os voos para a Madeira e daqui para outros destinos.
O Estepilha sabe que um administrador da Insular de Moinhos já esteve em Canárias a sondar…
Quem ainda mantém algum contacto com os canários é Pedro Ramos na área da saúde…