Calado defende taxas ou pagamentos para percursos pedestres

O presidente da Associação de Municípios da Madeira (AMRAM) defendeu hoje que a gestão dos percursos pedestres seja alargada a outros promotores e não apenas a uma única entidade.

Pedro Calado foi ouvido na Comissão Especializada de Recursos Naturais e Ambiente sobre dois projetos de decreto legislativo regional que estão a ser trabalhados no parlamento e que visam regulamentar os percursos pedestres regionais.

O presidente da AMRAM não vê esta abertura como uma “descentralização de poderes, mas avisa que os “municípios têm que ter meios para manter, explorar e preservar os circuitos pedestres”.

“Somos apologistas que os circuitos possam ter novos intervenientes, mas essa passagem de responsabilidade deve ter contrapartidas financeiras adequadas para criar zonas de circulação em segurança e com novos percursos”, disse.

A criação de novos circuitos pode aliviar a pressão humana em certas zonas, e isso, na opinião de Pedro Calado é positivo.t

O autarca, também presidente da Câmara do Funchal, entende que é preciso estudar a melhor forma de financiamento: taxas ou pagamento de serviços. No entanto salientou que, a se aplicar, a medida deve ser de “âmbito regional”.