Trabalhadores Social-Democratas realizam Congresso Regional a 30 de abril

Na sequência do Congresso Regional do PSD/Madeira levado a cabo nos dias 5 e 6 de março e cumprindo aquela que era uma das pretensões desta estrutura, assumida, precisamente, nesta reunião magna, os Trabalhadores Social-Democratas (TSD/Madeira) promovem, no próximo dia 30 de abril, o seu Congresso Regional, “como forma de legitimar os seus órgãos diretivos e reforçar uma atuação que tem vindo a ganhar maior dimensão, nestes últimos anos” avança o Presidente dos TSD/M, Amílcar Gonçalves, sendo esta uma das principais conclusões do Conselho Regional levado a cabo neste sábado, na Rua dos Netos.

Amílcar Gonçalves que, a este propósito, explica que, no último Congresso, realizado em novembro de 2019, tinha ficado estabelecido estatutariamente que o mandato seria de dois anos para os órgãos dos TSD/M, uma realidade que acabou alterada e prorrogada em função da pandemia mas que, agora, fruto da sua normalização e evolução positiva, permite que se retome e que, efetivamente, sejam realizadas eleições internas para garantir novo mandato.

“Há todo um trabalho fundamental que foi feito e ao qual temos de dar, agora, continuidade, ainda com maior afinco, fazendo todo o sentido que os TSD/M avancem para este Congresso também como espaço de diálogo e de concertação para o futuro”, reforça Amílcar Gonçalves, que, a este nível, faz questão de congratular-se com “o empenho, a dedicação e o contributo de todos aqueles que fazem parte desta estrutura, hoje bem mais presente e alargada a todos os concelhos da Região mas, também, às Empresas Públicas e aos principais setores de atividade”.

Neste contexto, as atividades e conquistas dos TSD/M foram, assim, abordadas neste Conselho Regional, nomeadamente a criação do núcleo de empresa na Empresa de Eletricidade da Madeira e o aumento significativo dos militantes da estrutura, bem como os desafios futuros.

Acresce referir que, também neste Conselho Regional, foi feita alusão à guerra na Ucrânia e aos desafios que se avizinham para a Madeira e que se prendem, especificamente, com a integração social dos Ucranianos mas, também, e a outros níveis, à evolução positiva do emprego e de setores que têm resistido e que agora ganham novo impulso, a favor da economia regional, como é o caso do turismo.