Mafalda Gonçalves quer garantir apoios à Cultura em Santa Cruz

A candidata à Câmara Municipal de Santa Cruz, Mafalda Gonçalves, “elege a Cultura como um dos eixos estruturantes do seu programa eleitoral, considerando que esta, além da marca identitária do povo e das localidades, pode ser um factor de desenvolvimento económico e social”, afirma um comunicado.

A dinamização cultural e o apoio aos agentes do sector são, por isso, apostas da candidata do PS, que acusa os anteriores executivos municipais de falta de investimento nesta área.

Mafalda Gonçalves diz pretender auscultar periodicamente os agentes culturais do concelho, visando o estabelecimento de uma relação profícua para o desenvolvimento das diferentes localidades do município, tendo, neste âmbito, se reunido ontem com a Banda Paroquial de São Lourenço, na Camacha.

Na sua perspectiva, Santa Cruz deve potenciar a articulação entre a riqueza do seu património material e imaterial e o seu capital humano, com vista à promoção de novas dinâmicas de base artística e cultural essenciais ao desenvolvimento económico e social do concelho. Critica, a propósito,  a situação da obra de vimes da Camacha, que “outrora foi uma actividade rentável e levou o nome da freguesia e da Madeira além-fronteiras e que, actualmente, está a morrer, por culpa da falta de apoio das entidades governativas”.

“A confiança no nosso projecto é a única forma de não deixar a cultura morrer em Santa Cruz”, sustenta Mafalda Gonçalves, que se propõe a apostar na preservação e continuidade das artes e ofícios em risco de desaparecer, através do apoio aos produtores e aos artesãos e da criação do Museu do Vime e do Artesanato, onde esta e outras artes possam ser apreciadas e, acima de tudo, possam ser ensinadas e transmitidas às novas gerações.