Pescadores recebem formação para recolha do lixo que produzem

Aproximadamente uma vintena de pescadores, mestres e armadores participaram na primeira sessão de formação/sensibilização para a recolha do lixo produzido pelas próprias embarcações e encontrado no mar.

Esta é a primeira vez que a Secretaria Regional do Mar e Pescas e as duas direcções regionais, a do Mar e a das Pescas, levam a cabo ações de formação/sensibilização para estes profissionais, com enfoque na recolha do lixo que é produzido a bordo das embarcações, mas também para aquele que é encontrado no mar.

Estas acções, ministradas pela própria directora regional do Mar, Mafalda Freitas, e pelo responsável das Lotas e Entrepostos, Pedro Delgado, prolongar-se-ão no tempo, até atingir toda a comunidade piscatória. O projecto designado OceanLit foi iniciado em 2019, mas a crise sanitária adiou a sua implementação.

Esta terça-feira, o governante com as pastas em questão, Teófilo Cunha, presidiu à primeira sessão da formação/sensibilização, na lota do Funchal, aproveitando para lembrar a “responsabilidade que todos nós temos na preservação dos oceanos”, referindo que “essa responsabilidade é ainda maior para quem vive dos recursos marinhos”.

Teófilo Cunha registou a “forte adesão” dos pescadores, mestres e armadores, reconheceu que os pescadores têm hoje em dia “uma atitude mais responsável” em relação ao mar e à necessidade de o preservar, mas entende que “a formação agora iniciada é fundamental para que todos tenhamos a noção da importância que o mar tem na nossa qualidade de vida e nas condições do clima”.

Este projecto é cofinanciado em 85% pela União Europeia, sendo a restante verba do Orçamento da Região. Nesta primeira sessão, o governante mostrou os vários contentores que já foram adquiridos e onde serão depositados os lixos, bem como a bandeira que cada embarcação aderente ao projecto irá hastear a bordo. Os contentores serão colocados e sinalizados em todos os portos de pesca.