Calado promete habitação social para Santo António

Pedro Calado afirmou hoje que a habitação social em Santo António é uma prioridade. Disse-o na apresentação, ao início da tarde, da equipa candidata pela coligação PSD/CDS ‘Funchal Sempre à Frente’ à Junta de Freguesia de  Santo António.
Calado afirmou que  foi o PSD que tirou as pessoas de furnas e de barracas, deu novas habitações e qualidade de vida. Um trabalho que vai continuar nesta freguesia, a segunda maior do concelho do Funchal, promete.
A Madeira, diz, vai receber do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) 136 milhões de euros. E Calado comprometeu-se a aplicar grande parte dessas verbas  para  habitação social num trabalho conjunto entre as autarquias e o Governo Regional.
“A habitação  social é uma dos problemas graves da nossa cidade e podem contar connosco para resolver as situações mais graves, dar mais qualidade de vida aos jovens e aos idosos”, prometeu, frisando que o trabalho social que quer fazer é para todos os bairros sociais sem que as pessoas sejam discriminadas”.
“Dá-me vergonha ver uma Câmara com um orçamento superior a  100 milhões de euros e que  pouco  faz pelo social”, criticou. “Temos aqui o exemplo do conjunto habitacional da Ribeira Grande, que o actual executivo  prometeu recuperar  há oito anos  e nada foi feito. Temos outro exemplo, o da ASA-Associação de Desenvolvimento, que sempre desenvolveu  um  trabalho meritório na ajuda social às famílias carenciadas e nos últimos anos  esta Associação esteve à beira de fechar as portas por falta de apoio da CMF (…)”, apontou.
Por seu turno, Ilídio Castro também diz querer mais obra feita o quanto antes. O cabeça-de-lista à Junta de freguesia de Santo António deixou o alerta durante a apresentação, ao início da tarde, da sua equipa candidata  pelo projecto de coligação PSD/CDS ‘Funchal Sempre à Frente’, que decorreu no polidesportivo, na Ribeira Grande.
Entre as obras  a concretizar destacou: a requalificação do Centro da Freguesia, o alargamento do Caminho do Trapiche, o alargamento do Caminho do Jamboto, as bolsas de estacionamento nas Zonas Altas da Freguesia, o saneamento básico do Caminho das Preces e a reabilitação dos bairros sociais camarários, dos quais o da Ribeira Grande.
“Todas estas obras têm de ser feitas”, afirmou.
“É meia estrada, é meia entrada, é meio caminho. São obras para servir meia dúzia de pessoas”, critica o candidato na análise que faz à gestão do actual executivo camarário, o que dificulta a tarefa de quem está na Junta.
“O Rui Santos liderou a Junta de Freguesia nos últimos 12 anos. Assumiu uma tarefa difícil quando chegou e cumpriu aquilo que prometeu. Não faremos só as obras nos meses antes das eleições, na caça ao voto. Trabalharemos ao longo do nosso mandato”, garantiu Ilídio Castro.