Iniciativa Liberal critica Albuquerque por “sabedoria arrogante”

A Iniciativa Liberal refere em comunicado que o Governo da República anunciou um calendário de desconfinamento, que resulta de ter ouvido inúmeros especialistas na reunião de quarta-feira passada no INFARMED. “Não vamos fazer apreciações das virtualidades, ou da falta delas, das medidas e da bondade da sua calendarização”, refere a nota assinada por Nuno Morna.

“O presidente do Governo da Madeira, um verdadeiro especialista em tudo e mais alguma coisa, e depois de não ouvir ninguém, como faz sempre, “não acredita no Pai Natal”. O Presidente do Governo da Madeira, do alto da sua sabedoria arrogante, enche-se dos usuais “achismos”, e berra para que todos ouçam bem: “a ciência sou eu”, critica Morna.

“Manda vacinar todas as pessoas, menores inclusive, mas só o faz porque “não acredita no Pai Natal”. Avaliando aquilo que diz, as vacinas e a vacinação são só porque sim, porque “aqui quem manda sou eu”. Haver cada vez mais vacinados não tem nenhum reflexo no levantamento de medidas repressivas, algumas delas ilegais porque inconstitucionais”, insiste a Iniciativa Liberal.

“Continuamos a ser tratados como crianças que se põem de castigo. Para o Sr. Governo pedir e explicar os porquês, está fora de questão. Somos todos burros e nunca iríamos conseguir perceber aquilo que “acha” tão bem”, critica o liberal.

“Mas nada nos pode, em boa verdade, admirar. O Vice-Presidente vai continuar no cargo até ao final de Agosto, garantindo assim cobertura da comunicação social como membro do governo e como candidato. Uma espécie de “Olívia patroa vs Olívia Costureira”. E depois, lá para Setembro, contemos com ele a “200%”. Alguém que lhe explique que já atingiu essa percentagem: 100% como Vice e outros 100% como candidato à CMF”, ironiza o comunicado da IL.

“Os madeirenses merecem melhor. Merecem muito melhor. Muito mais do que isto que nos oferecem. Sabemos que vivemos um período perigoso de saúde pública. Sabemos da necessidade do uso da máscara se juntos e com a impossibilidade de cumprir com o distanciamento social. Sabemos da necessidade da desinfecção das mãos. Como também sabemos que quanto maior o número de vacinados maior a possibilidade de levantar medidas restritivas. Não nos tratem como tontos”, conclui a nota da Comissão Coordenadora dos liberais madeirenses.