CDU reclama mérito das acções nas zonas altas e “esquecidas” por Governo e CMF

A candidatura da CDU aos órgãos autárquicos do concelho do Funchal esteve hoje a realizar uma acção de contacto com a população da freguesia de Santo António para denunciar a falta de investimento na freguesia mais populosa do concelho do Funchal e da RAM.

Nesta acção política o candidato da CDU à presidência da Junta de Freguesia de Santo António, Ricardo Lume, acusou a CMF e o Governo Regional de continuarem a esquecer a freguesia de Santo António, sem responder aos problemas da população.

“Ao longo das últimas décadas os eleitos e activistas da CDU têm sido a vanguarda da luta reivindicativa para garantir o direito à cidadania da população de Santo António”, reclamou Lume.

“Na luta pelo caminho, pelo saneamento básico, pelo transporte público e habitação, foi sempre, sempre, com a CDU que as populações puderam contar”, afirmou.

“Temos estado na linha da frente na colocação de reivindicações que, até que estejam concretizadas no terreno, não deixaremos de intervir:

– na luta pelo alargamento do Caminho do Jamboto, promessa que já vem há mais de 2 décadas;

– na luta pela construção de um acesso no Ribeiro Lavadouro, que recentemente juntou mais de 300 assinaturas;

– na necessidade de colocação de muros no Caminho dos Três Paus, que garantam a segurança a quem ali circula;

– na repavimentação do caminho do Miranda e na melhoria do sistema de escoamento de águas pluviais;

– no acesso à rede de esgotos em tantas localidades da freguesia, como são exemplos o Sitio da Viana, o Caminho de Santa Quitéria e da Levada do Pico do Cardo;

– pela recuperação das zonas afetadas pelo temporal de 20 de Fevereiro de 2010 que, 11 anos depois, ainda estão por intervencionar, como é exemplo a consolidação da escarpa nas Escadinhas da Estrela;

– Ou ainda a luta pelo acesso à água de rega para os regantes da freguesia de Santo António”, enumerou. .

“Quando a CDU tinha um vereador na CMF o investimento nas Zonas Altas era de 20% do total do plano de investimentos. Já na altura era insuficiente para fazer face às desigualdades territoriais e sociais nestas localidades do concelho. A partir de 2017, quando a CMF deixou de ter um vereador da CDU, o investimento nas Zonas Altas foi reduzido para 4,4%”, queixa-se Ricardo Lume, que insiste: “A 26 de Setembro está nas mãos da população dar mais força à CDU!”.