ALRAM avança com escultura para homenagear os “profissionais da linha da frente” no combate à Covid-19

A ALRAM, por iniciativa do seu presidente, José Manuel Rodrigues, vai avançar com a instação de uma escultura de homenagem aos profissionais de saúde que trabalharam e trabalham na linha da frente do combate à pandemia e na vacinação contra a Covid-19, bem como todos os seus pares que na retaguarda asseguraram os restantes cuidados de saúde necessários, assim como todos os profissionais que enfrentaram a pandemia, refere uma nota oficiaç.

A homenagem, com o apoio do Hospital Particular da Madeira, Grupo HPA Saúde, será feita no próximo dia 18, através de um monumento que será instalado junto ao parlamento madeirense, numa cerimónia presidida pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

A obra, da autoria do escultor Martim Velosa, pretende “levar-nos à reflexão sobre o trabalho que milhares de profissionais de saúde desenvolveram durante este longo período, que ainda não terminou”, pode ler-se na memória descritiva do projecto.

A ameaça, muitas vezes fatal, “alterou o nosso modo de vida, sobretudo no campo dos afetos em que o abraço personifica nas relações humanas a fraternidade com o próximo”. É com base no abraço que o projeto foi desenvolvido, permitido que o visitante entre na peça escultórica e sinta “segurança”. Por outro lado, refere o escultor, “o gesto de abraçar reforça a ideia de agradecimento”.

A escultura fica completa com uma frase de um poeta madeirense, levando a “uma reflexão mais profunda sobre o trabalho incansável dos homenageados”.

Martim Velosa destaca ainda que a peça, visitável individualmente, “permite uma experiência ímpar e pessoal, um acto de agradecimento, ou momento de saudade”.

A escultura é produzida em “bronze patinado” para perdurar no tempo a nobreza do gesto de gratidão a todos os profissionais de saúde.

O monumento será colocado junto à Assembleia Legislativa da Madeira, em perfeita harmonia com a estética do edifício, garante-se.

A inauguração da escultura está prevista realizar-se depois da Sessão Solene Comemorativa do Dia da Assembleia Legislativa da Madeira, a acontecer na tarde do dia 19 de Julho. O parlamento madeirense assinala este ano 45 anos de existência.

Martim Veloza é conhecido como escultor pelo seu próprio trabalho, sendo filho do também escultor Ricardo Veloza. Conforme o FN deu conta anteriormente, em Maio deste ano, inicialmente a proposta foi feita ao pai, mas acabou por ser o filho a executar o trabalho.

Martim Oliveira Jardim e Silva Velosa nasceu no Funchal em 1973. É licenciado em artes plásticas/escultura pelo Instituto Superior de Arte e Design da Madeira e ao longo dos anos tem participado em inúmeras exposições individuais e coletivas, em Portugal e no Estrangeiro.

Tem vários esculturas públicas construídas, entre as quais se destacam o “Monumento ao Empresário da Madeira”, o “Monumento ao Ano Internacional do Voluntariado”, o “Monumento ao Clube Sport Marítimo”, a “Escultura Alusiva aos 20 Anos dos Cimentos Madeira”, o “Painel Alusivo ao trabalho realizado pela empresa Via Litoral”, a “Escultura de Homenagem a Winston Churchill, o “Monumento aos que morreram nas grandes obras da Madeira ‘Anjo Caído’”, situado na praça ASSICOM, em parceria com o escultor Ricardo Veloza, seu pai, e o “Monumento de Homenagem a Nelson Mandela”, a única homenagem fora da África do Sul reconhecida pelo partido que liderava, o Congresso Nacional Africano (ANC).

Martim Velosa possui ainda uma vasta obra escultórica ligada à distinção de personalidades, que tem acontecido um pouco por todo o país.

Entre os prémios mais relevantes, constam o de “Artista do ano, prémio RTP/DN no ano 2000”, o de “1.º classificado no concurso para monumento ao Empresário da Madeira”, os 1.º e 2.º lugares no concurso para o monumento referente ao “Ano Internacional do Voluntariado” e ainda o 1.º Prémio na Bienal de Malta.