CDU denuncia “falsas promessas” da CMF em São Pedro

A candidatura da CDU desenvolveu jhoje uma acção de contactos na freguesia de São Pedro, tendo nesta iniciativa o cabeça de lista da CDU à Junta de Freguesia, Paulo Ricardo Azevedo, afirmado que “as populações da freguesia de São Pedro, à semelhança das outras freguesias do chamado centro urbano do Funchal, são confrontadas diariamente com problemas que se arrastam há anos, apesar da alteração do executivo em 2013 do PSD para o PS (…)”.

A verdade é que “persistem as erradas políticas e falta de prioridades na freguesia, para desespero das populações. A freguesia tem graves problemas que não foram tidos em conta nos mandatos do PSD e que continuam a não ser consideradas pelo actual executivo de maioria socialista, onde parece que o que impera é a inércia e incompetência”, acusou.

A CDU cita a falta de saneamento básico em zonas densamente povoadas como a Levada dos Moinhos; a falta de bocas de incêndio e os perigos que são permanentes para quem vive na Levada de São João; a falta de acessibilidades prometidas há décadas, como por exemplo a construção de um arruamento que ligue a Levada de São João ao Caminho de Santo António e à Estrada de São João (São Pedro), entre outros exemplos.

“A nossa intervenção tem sido intensa e incisiva quando estão em causa direitos fundamentais da população, e exemplo deste compromisso e empenho em colocar sempre nos órgãos onde temos eleitos da CDU, os reais problemas da população, são as conquistas que só foram possíveis pela nossa intervenção, exemplo disso mesmo a colocação das bocas de incêndio em locais estratégicos na Levada dos Moinhos; a colocação de iluminação em zonas de fraca visibilidade como por exemplo no Beco Escuro, em São João; limpeza dos espaços ajardinados do Bairro do Hospital; a recuperação do Parque Infantil propriedade da autarquia (…)”, referiu.

O eleito da CDU na Assembleia de Freguesia de São Pedro e cabeça de lista neste acto eleitoral recordou que “quando estamos no terreno somos várias vezes abordados pelas pessoas para colocar problemas, dizendo que para lutar só a CDU. E as pessoas têm razão, nós não desistimos da luta, por mais difícil que seja. Por isso dizemos que se as pessoas reconhecem na CDU e nos seus eleitos a força da reivindicação, também temos que ter mais força para continuar a lutar pelos seus direitos e isso consegue-se pelo reforço do voto”, apelou.