Teófilo Cunha salienta livro “Vamos Proteger o Mar” como lição das crianças aos adultos

O secretário regional de Mar e Pescas, Teófilo Cunha, salientou hoje a importância da literacia do mar na formação das crianças para a protecção dos ecossistemas marinhos e a qualidade dos oceanos. O governante falava aos alunos da Turma B, do 4.º ano da Escola da Ajuda, que visitaram as instalações do laboratório de investigação da Direcção regional do Mar e a lota do Funchal.

A visita dos jovens alunos iniciou-se de forma inédita, diz uma nota da Secretaria. Vieram da Escola da Ajuda até ao Edifício Infante nos transportes públicos, orientados pela professora Paixão Catanho. Na paragem do Infante foram recebidos pelo secretário regional de Mar e Pescas, que os acompanhou, no percurso a pé, até ao edifício da lota, às instalações da Direcção Regional do Mar, onde foram recebidos pela directora Mafalda Freitas.

No laboratório assistiram a uma aula prática de biologia e ficaram a conhecer a variedade de peixe existente nos mares da Região. Revelaram-se sempre muito curiosos com as explicações, os nomes e formas de vida de algumas espécies, refere o comunicado.

Seguiu-se, depois, o momento que deu origem a esta visita: a apresentação do livro “Vamos Proteger o Mar”, uma história contada, escrita e desenhada pelos 20 alunos do 4.º Ano, Turma B, orientados pela professora Paixão Catanho, e editada com o apoio da Secretaria Regional de Mar e Pescas.

A jovem aluna Índia foi convidada a apresentar a história, que envolve o lobo-marinho, uma estrela-do-mar e uma tartaruga, que escapam a caçadores, mas, na fuga, ficam presos a redes e ao lixo marinho. É a partir daqui que todas as espécies se unem numa campanha de sensibilização para não poluir o mar. No final, todos os presentes perceberam a mensagem.

“É com este tipo de iniciativas que queremos alertar as nossas crianças para a preservação do mar e das nossas espécies”, disse Teófilo Cunha. “Nos processos de aprendizagem, é importante mostrar o que se faz e como se faz, este conhecimento que hoje foi transmitido a estas crianças, será muito importante para que elas tenham outra atitude perante o mar, o clima e a qualidade ambiental.”

O governante agradeceu o empenho da professora Paixão Catanho no desenvolvimento do projecto, disse que a secretaria regional está disponível para apoiar outras iniciativas, tendo lembrado que a história do livro começou, precisamente, com uma encarregada de educação ligada à Secretaria do Mar, a quem a professora confessou a vontade de editar o livro. “Foi muito interessante perceber pelo livro que as escolas estão a fazer trabalhos interessantes e que as crianças, na sua livre criação, revelam que sabem que é preciso mudarmos de atitude, é uma lição que estas crianças nos estão a dar”, frisou Teófilo Cunha.