O meu adeus à terra onde vivi cerca de 52 anos

Um dia tinha que ser, sempre disse que deixando Santo Tirso o meu destino era a minha Ilha. E assim foi: nos últimos 3 anos decidi, por razões familiares e saúde, voltar à minha Ilha, onde tenho muitos parentes, amigos dos tempos da primária, do liceu e faculdade. Sinto-me em casa e a minha saúde aqui, devido ao clima, fica muito melhor.

Mas Santo Tirso, a minha segunda “pátria”, que tão bem me acolheu e a que me dediquei durante cerca de 52 anos, ficará sempre no meu coração. Parto já com saudades do muito que meu marido e eu fizemos em Santo Tirso, por exemplo: o Instituto de Línguas, que permitiu aos alunos de se deslocarem ao Porto, para fazer os exames finais de Francês, Inglês e Alemão e, mais tarde, um curso de Português para estrangeiros, por mim elaborado e aprovado pelo Ministério da Educação.

Expandimos os cursos por vários concelhos, contratámos na sua maioria professores de nacionalidade e tivemos cursos de Inglês, Francês e Alemão em Paços de Ferreira, Trofa com cursos Inglês, Vila das Aves apenas de Inglês, e Póvoa do Varzim com Inglês e Alemão. Todas as semanas eu visitava esses Centros ou substituía um ou outro professor. Também tivemos cursos em várias fábricas, dentro e fora do concelho de Santo Tirso.

A Associação de Pais do Liceu, criada pelo meu marido e outros pais, foi considerada a melhor do país e houve reuniões com as de outras terras. Aí contámos principalmente com a participação de outras escolas. Na época, a Associação de Pais do Liceu de Santo Tirso foi considerada a mais rica do país, a ponto de comprar as suas próprias instalações na Rua Sampaio de Carvalho. O desenho que representa o Instituto ainda hoje mantém, foi trabalho do designer João Ornelas.

Quando abrimos o Instituto de Inglês, a funcionar na antiga Câmara, era “chique” para muitas senhoras da terra e, não só, frequentar o Instituto. A maioria do corpo docente veio do British Council do Porto, do Instituto Francês e do Goethe Institut. No fim do ano havia convívios entre os directores do Porto, professores e alunos. No 1º ano do Instituto, a Mrs. Gwen Andrade, directora do British Council, veio a Santo Tirso para a Festa do Natal, tocar piano e cantar temas natalícios, foi uma grande surpresa. Mais tarde, o meu marido, através dos nossos conhecimentos, trouxe os Cursos Profissionais e demos trabalho a muitos professores e funcionários.

No Liceu também dei o meu melhor e muitos alunos e alunas, que depois se tornaram minhas colegas, e outros que se tornaram Professores universitários e até Ministros (como o Pedro Siza), e demais excelentes profissionais, entre tantos outros notáveis (desculpem não mencionar todos), mas posso afirmar com orgulho que deixei em cada aluno um amigo. Quanto a colegas fiz igualmente muitas amizades. Os anos vividos em Santo Tirso deram-me muitas alegrias e alguns dissabores, mas esses já esqueci.  E recordo também com saudade os muitos amigos que já partiram. Qualquer dia volto aos nossos encontros de turmas, pois, deixo aí filhos e netos, a quem muito quero. Até breve, até sempre.