Iniciativa Liberal saúda candidatos da lista PSD-CDS

A Iniciativa Liberal “saudou democraticamente a apresentação da equipa de candidatos da coligação PSD-CDS, reagindo às opções políticas que esta coligação encerra”, refere uma nota. “Fazemo-lo com sobriedade e sem a adjectivação laudatória que alguma comunicação social escolheu utilizar para o efeito, opção que estranhamos para quem se apresenta como comunicação social independente”.

“Saudamos a lista apresentada porque, tal como a lista de candidatos apresentada há 3 dias pela Iniciativa Liberal, esta é uma lista de pessoas qualificadas, preparadas, com registos profissionais de grande e reconhecido valor”, refere a IL.

O partido, porém, para além da saudação democrática, considera que duas outras considerações políticas resultam evidentes desta apresentação pública.

Em primeiro lugar, refere-se, a aparente aposta na experiência, com três ex-vereadores, é contrariada pela não inclusão em lugar elegível de nenhum dos elementos eleitos no mandato que finda este ano, quer pelo PSD, quer pelo CDS. “Se é válido o princípio de “em equipa que ganha não se mexe”, excluir toda a anterior equipa parece-nos uma autoavaliação do mandato por estes partidos, excessivamente negativa e manifestamente exagerada, que deve levar à reflexão do motivo de tais opções políticas”.

Em segundo lugar, a IL critica a escolha do nome para a coligação, recuperando um nome de má memória “Portugal à Frente” (PàF) de uma coligação no governo da república, que, em seu entender, “mostra um enfoque no passado e em outros âmbitos políticos, que não os do Funchal de hoje. Esta ideia é reforçada com as declarações de desconforto pelo abandono de funções de outro âmbito, que têm “vantagens profissionais e mediáticas”, para participar “em exclusivo” nesta candidatura, dizendo ser este o seu “único desafio”, o que é manifestamente contrariado pelas actuais funções desempenhadas pela maioria dos candidatos apresentados”.