Albuquerque anuncia “testagem massiva” da população da RAM; admite aumento do número de casos de Covid-19

Foto arquivo

Miguel Albuquerque anunciou hoje a “testagem massiva” da população do arquipélago. O governante falava hoje aquando de uma visita ao Centro de Vacinação do Funchal, no Madeira Tecnopólo, cuja intenção foi acompanhar “o culminar da vacinação de todo o corpo docente e auxiliares de educação da RAM, cerca de 10700 pessoas”. A dita vacinação deverá ficar concluída amanhã, o que obrigou “a uma mobilização de recursos humanos e logísticos muito importante”, num intercâmbio entre as Secretarias da Educação, da Saúde e das classes profissionais que laboram nas escolas.

A testagem dos alunos prossegue até ao dia 16, referiu Albuquerque. As aulas para todos os ciclos deverão começar porém já no dia 12, segunda-feira. O próximo passo, declarou o presidente, será uma campanha de testagem massiva de toda a população.

A mesma já está acertada em cooperação “com a Associação de Farmácias e a Ordem dos Farmacêuticos, será monitorizada e acompanhada pela Direcção Regional de Saúde, e será gratuita para todos os cidadãos”. Proporcionará, de acordo com o chefe do Governo Regional, dados importantes e concretos sobre a evolução da pandemia na RAM.

O presidente do GR considerou importante vacinar também as pessoas que trabalham no sector da hotelaria e turismo, para proporcionar maior segurança àqueles que lidam com os turistas, que podem estar vacinados mas mesmo assim transmitirem o vírus. Se a entrega das vacinas correr como está previsto, Albuquerque espera em Setembro ter 70 por cento das população adulta vacinada na RAM.

Em Junho, segundo foi afiançado pelo vice-almirante Gouveia e Melo, que comanda a força-tarefa das vacinas em Portugal, a Madeira deverá receber “um lote bastante substancial das vacinas da Johnson”, as quais se revestem de importância significativa, uma vez que não implicam a administração de duas doses, mas de uma única. “O que nos proporcionará uma aceleração na vacinação”, sublinhou o presidente.

Comentando o facto de os alunos das escolas estarem a ser testados já depois de as aulas terem começado, Miguel Albuquerque disse que há um equívoco interpretativo a respeito da situação. Àqueles que entendem que os alunos deveriam ter sido todos testados antes de voltarem à escola, o governante responde que tal seria “impossível”.

“O que estava previsto era testar até ao dia 16 mais de 20 mil alunos. Isso é que estava previsto. Nós nunca dissemos que íamos testar todos até ao dia 12”, afirmou.

“São muitos alunos, não podemos exigir [a sua testagem] total aos nossos profissionais”, declarou, mostrando-se satisfeito pelo facto de terem sido detectados “muito poucos alunos infectados”.

Miguel Albuquerque terminou avisando que a previsão do GR, “mesmo com esta vacinação e testagem todas, é de que os números [de infectados] aumentem nos próximos quinze dias. Porquê? Porque com a abertura das aulas vai haver mais 58 mil pessoas em circulação e concentração”.