Albuquerque nega complicações nas aulas por causa da vacina AstraZeneca

Foto arquivo

Miguel Albuquerque disse hoje que as complicações geradas com a vacina AstraZeneca e as novas orientações nacionais para a sua administração a maiores de 60 anos não vão condicionar o processo de vacinação em curso na Região, nem a normalidade das aulas.

“Vamos seguir a recomendação… Ainda não percebi… Mas vamos vacinar com a Pfizer e na segunda-feira será a reabertura do Terceiro Ciclo, com todos os professores vacinados”, declarou. Espera concluir também em breve o processo de testagem dos alunos. Quanto a um grupo “pequeno” de professores que recusou vacinar-se, considerou natural essa atitude, porque “não vamos obrigar ninguém”.

O presidente do Governo Regional falava hoje à margem de uma visita ao Hospital Particular da Madeira. Dois anos passados sobre a sua abertura, felicitou os administradores, os médicos, os enfermeiros e o pessoal clínico.

Albuquerque referiu, na oportunidade, que é necessário interiorizar que, face a esta pandemia, “é muito importante um região ultraperiférica como a nossa ter um “background” de resposta na saúde, da mais alta qualidade”. O investimento no Hospital privado, em seu entender, veio ajudar a RAM em termos de infraestruturas de saúde e de capacidade técnica. Considerou mesmo o Hospital Particular “uma mais-valia em termos de captação do turismo”, principalmente das pessoas em idade mais avançada.

O chefe do Executivo disse-se ainda preocupado com a chegada dos apoios do Plano de Resiliência. Há fundos que deverão chegar só em Julho e outros em Outubro. Ora, perante a situação que estamos a atravessar, o governante preferiria ver este processo acelerado. Embora considere a situação politicamente normal, ao nível da União Europeia e do processamento nas diferentes nações, Miguel Albuquerque enfatiza: “Precisamos desse dinheiro para manter o funcionamento da nossa economia e apoiarmos as populações”.