PSD-M divulga lista de candidatos às eleições autárquicas

Pedro Coelho (Câmara de Lobos), Carlos Teles (Calheta), João Paulo Marques Luís (Santana), José António Garcês (São Vicente), Brício Araújo (Santa Cruz), Norberto Maciel (Machico), Nuno Batista (Porto Santo), Marco Gonçalves (Porto Moniz), Gualberto Fernandes (Ponta do Sol), Pedro Calado (Funchal) e Ricardo Nascimento (Ribeira Brava) são os candidatos hoje aprovados pela Comissão Política do PSD/M para enfrentar, “com sucesso”, as próximas eleições autárquicas. Os nomes foram avançados pelo secretário-geral do PSD/M, José Prada, lendo hoje as conclusões da reunião realizada na sede do partido, na Rua dos Netos.

Os social-democratas sublinham que os candidatos ora formalmente aprovados “reúnem o perfil previamente definido para enfrentar, com sucesso, as próximas Eleições Autárquicas, sendo candidatos que primam pelo seu elevado espírito de missão e de serviço às populações, pela sua competência e preparação técnica e pelo seu compromisso diariamente afirmado em prol do PSD/M, dos Madeirenses e do futuro da Região”, refere uma nota.

A Comissão Política sublinhou o objectivo de vencer o maior número de Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia, através de lista própria ou em Coligação.

No final da reunião salientou-se que a RAM “carece de ser liderada pelos princípios da social-democracia, de modo a que, nos concelhos actualmente governados pela oposição, seja reposta a qualidade de vida, a segurança e o desenvolvimento que as populações ambicionam e legitimamente merecem”.

Por outro lado, o PSD/M “congratulou-se e enalteceu o extraordinário trabalho que continua a ser desenvolvido, pelo Governo Regional, no combate e contenção da pandemia COVID-19, num trabalho que tem revertido a favor da saúde de todos os Madeirenses e Porto-santenses, mas, também, da estabilidade e da necessária recuperação socioeconómica da Região”.  O processo de vacinação COVID-19 foi exaltado como exemplo de profissionalismo e qualidade.

Sobrou um elogio para os médicos, enfermeiros e técnicos de saúde na vacinação dos docentes e não docentes e ainda na testagem dos alunos, e o reconhecimento da “forma empenhada, competente e responsável como os nossos professores, técnicos de educação e auxiliares educativos têm sabido enfrentar os actuais constrangimentos decorrentes da pandemia”.

Foi também sublinhado o entendimento político alcançado, no parlamento nacional, quanto ao CINM.