Olavo Câmara salientou empenho do PS nas preocupações dos estudantes

Olavo Câmara, deputado do PS-M à Assembleia da República, veio salientar o “empenho do Partido Socialista e do Governo da República liderado por António Costa no sentido de dar resposta às preocupações dos estudantes do ensino superior”.

Isso mesmo deixou patente, ontem, numa audição ao presidente da Associação Académica da Universidade de Lisboa, na Comissão de Educação, Ciência, Juventude e Desporto, na qual representou o grupo parlamentar do PS.

A presença de Hélder Semedo no Parlamento teve em vista abordar a realidade trazida pela pandemia no que aos estudantes diz respeito. Referindo que as dificuldades financeiras continuam a ser a principal barreira ao ingresso no ensino superior e a principal causa de abandono ou suspensão dos cursos, Olavo Câmara salientou que esta “é uma realidade que tem de ser combatida”.

O deputado socialista apontou como principais problemas o pagamento das propinas, mas também questões como as despesas com a habitação, a mobilidade, a alimentação e materiais de apoio. Aliás, enquanto madeirense, o parlamentar não deixou de apontar as dificuldades sentidas pelos estudantes deslocados na frequência do ensino superior, já que têm gastos acrescidos.

Olavo Câmara considerou, por outro lado, que é preciso continuar o caminho que tem vindo a ser trilhado pelo actual Governo da República, indo ao encontro das necessidades dos estudantes. A propósito, apontou algumas das medidas que têm vindo a ser implementadas, tais como a redução da propina (actualmente tem o valor de 697 euros, quando em tempos atingia os mil euros), o aumento da bolsa mínima, que é superior ao valor da propina (871 euros), o alargamento das bolsas de estudo, o complemento de alojamento e a sua a majoração nas grandes cidades, bem como o passe sub23. A possibilidade de pedir bolsa de estudo durante o ano letivo, em caso de alteração significativa da situação económica do agregado familiar e ainda o ambicioso Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior, que saiu reforçado no Programa de Recuperação e Resiliência, com 375milhões de euros, foram ainda exemplos apontados.

Àmargem da audição, Olavo Câmara aproveitou para lembrar que a Madeira pode e deve ir mais além no auxílio aos seus estudantes universitários, apontando os apoios das câmaras e do Governo como essenciais para o acesso e manutenção dos jovens no ensino superior.